questões geopolíticas

Liberalismo latino-americano sob pressão

Derrota de Macri na Argentina e impopularidade de Piñera no Chile apontam para mais dificuldades de Bolsonaro com países vizinhos

Oliver Stuenkel
28out2019_12h49
Cristina Kirchner e Alberto Fernández comemoram vitória
Cristina Kirchner e Alberto Fernández comemoram vitória FOTO: MARIANO GABRIEL SANCHEZ / ANADOLU AGENCY/AFP

O fim do populismo”, festejou a revista britânica The Economist, logo após o triunfo do liberal Mauricio Macri nas eleições presidenciais argentinas, em novembro de 2015. Depois de três mandatos do casal Kirchner (um de Néstor e dois de sua mulher, Cristina), muitos analistas viam na vitória do ex-prefeito de Buenos Aires e ex-presidente do Clube Atlético Boca Juniors o fim da chamada “onda rosa”, quando governos de esquerda dominaram grande parte da América do Sul. Macri herdou uma economia abalada, com 25% de inflação, baixo crescimento e pouca confiança nas instituições após o governo Kirchner ter começado a falsificar dados oficiais sobre pobreza e inflação.

A presença maciça de tecnocratas no gabinete de Macri deixava os observadores internacionais esperançosos de que o presidente argentino pudesse liderar uma nova onda business-friendly na região. No segundo ano de seu governo, a Argentina conseguiu uma façanha: pela primeira vez na história, emitiu títulos de dívida com validade de 100 anos – prova de que o novo queridinho dos mercados havia recuperado a confiança dos investidores. Numa conferência em Buenos Aires com analistas internacionais da qual participei, Marcos Peña, o jovem e dinâmico chefe de gabinete de Macri, foi aplaudido de pé após apresentar a estratégia econômica do governo em um inglês impecável.

Quando Maduro aceitou a derrota nas eleições parlamentares na Venezuela, dias antes da posse de Macri, o presidente eleito argentino celebrou sua primeira vitória na política externa. Em fevereiro de 2016, na Bolívia, Evo Morales sofreu a primeira grande derrota nas urnas. O impeachment da presidente Dilma Rousseff no Brasil, a vitória do tecnocrata e ex-funcionário do FMI Pedro Pablo Kuczynski no Peru, a volta do empresário Sebastián Piñera no Chile e a ruptura de Lenín Moreno com seu antecessor populista Rafael Correa no Equador pareciam confirmar a narrativa de que a direita latino-americana viera para ficar. Para completar o quadro, em 2018, Iván Duque, ex-assessor de Álvaro Uribe, venceu o candidato da esquerda Gustavo Petro no pleito presidencial colombiano, prorrogando a hegemonia da direita no país andino.

Sobretudo após as eleições de 2017 – quando a coalizão de Macri impôs uma derrota impressionante aos peronistas –, o presidente argentino virou referência para políticos e candidatos de centro-direita na América Latina, recebendo elogios rasgados daqueles que viam em sua gestão um modelo a ser seguido. Macri é “absolutamente inspirador”, disse o então prefeito de São Paulo e presidenciável João Doria, durante uma peregrinação à Casa Rosada. Quando o presidente argentino conseguiu aprovar uma reforma da Previdência em poucos meses, Michel Temer disse que ele “servia de exemplo”. Em uma conversa em Caracas, em junho de 2019, um assessor de Juan Guaidó me disse que Macri servia como “modelo” para a oposição venezuelana. Em Washington, não era segredo que até o governo Trump se sentia mais confortável em lidar com o argentino do que com Bolsonaro, cuja adulação cega gerava perplexidade e desconfiança entre assessores da Casa Branca.

O fracasso retumbante do experimento liberal-tecnocrata de Macri ficou claro no dia 11 de agosto de 2019, quando a oposição lhe impôs uma dura derrota nas primárias para a eleição deste ano. Mesmo considerando a difícil herança que Macri recebeu, erros graves em sua gestão econômica produziram aumento dramático do desemprego. A taxa de pobreza subiu de 29% no governo Kirchner para 35%. A inflação chegou a quase 50%. A previsão é de que a economia argentina encolha 3% no acumulado de 2019. A decisão de financiar o déficit herdado com mais dívida provou-se um equívoco e, ao longo de 2019, ficou evidente que a Argentina dificilmente escaparia de um default – o nono desde sua independência.

Enquanto os argentinos se dividem sobre se Macri foi derrotado por ter sido fiel em demasiado à cartilha liberal ou por ter sido pouco fiel – o presidente foi duramente criticado por ambos os lados por ter optado por uma implementação gradual da liberalização – a estratégia do presidente acabou tendo um custo social e econômico alto demais, sem conseguir animar a economia. Ao contrário, produziu enorme pauperização, sobretudo no interior. Durante seus quatro anos de estadia na Casa Rosada, cerca de 5 mil fábricas fecharam, segundo a União Argentina Industrial, eliminando 150 mil empregos na indústria. Contra ele também pesou um ambiente externo pouco favorável, com a guerra comercial entre Washington e Pequim, juros mais altos nos Estados Unidos e um baixíssimo crescimento na América Latina, região com a pior performance econômica do mundo nos últimos anos. Sobretudo na hora de explicar medidas impopulares, não ajudou em nada o fato de Macri ser filho de um dos empresários mais ricos do país e nunca ter conseguido se desvencilhar da fama de “mauricinho” que pouco conhece da vida dos argentinos normais.

Em conversas em off logo após as primárias, assessores de Macri já consideravam que a derrota do dia 27 de outubro seria inevitável. “Sem chance”, respondeu um deles quando, em uma visita recente a Buenos Aires, perguntei sobre a probabilidade de uma reviravolta inesperada. Assessores de Alberto Fernández já afirmavam que o maior desafio do novo presidente não seria vencer as eleições, mas renegociar o acordo com o FMI e tomar medidas rápidas para evitar a instabilidade social – uma preocupação que só cresceu desde que manifestações em massa tomaram conta das ruas de Santiago, durante o mês de outubro. O governo do liberal Piñera virou alvo de protestos que levaram mais de 1 milhão de pessoas às ruas, questionando a privatização de serviços distintos e a desigualdade social no país. Piñera chegou a decretar toque de recolher, agora já suspenso, e pelo menos dezenove pessoas já morreram nos protestos. 

Na Argentina, apesar dos resultados nas urnas, a lua de mel de Fernández deve ser curta, já que sua vitória representa antes uma rejeição ao governo Macri do que um voto de confiança no peronismo. Sobretudo entre os jovens, o cinismo é palpável, e muitos eleitores de Fernández reconhecem que ele provavelmente sabia da corrupção nos governos de Néstor e Cristina Kirchner. Se Macri recebeu uma herança maldita, o desafio de Fernández será ainda maior. Se a situação não melhorar rapidamente, a pressão para que o presidente dê mais poder à sua vice deve aumentar, acirrando a tensão inerente a um casamento de conveniência entre o radicalismo de Kirchner e o pragmatismo de Fernández, que até recentemente era um grande crítico da ex-presidente. Fernández foi chefe de gabinete de Néstor Kirchner, continuando no cargo durante o primeiro ano do governo de Cristina, mas afastou-se após criticar publicamente sua política econômica. Ficaram anos sem se falar. Ainda hoje, a relação não é boa, mas Cristina sabia que chamá-lo para integrar a chapa ajudaria a baixar seu alto índice de rejeição. Muitos analistas acreditam que a aliança é insustentável. Para evitar brigas internas antes da eleição, Fernández se limitou a declarações vagas sobre como lidar com a crise econômica. O resultado no primeiro turno – pouco mais de 48% dos argentinos votaram em Fernández – mostra que o presidente eleito não cresceu desde as primárias em agosto, evidência de que sua força política depende da sua vice. 

A Argentina esteve em recessão por 22 dos últimos 58 anos – de todos os países do mundo, só a República Democrática do Congo teve desempenho pior no mesmo período. O país recorreu a recursos do Fundo Monetário Internacional 21 vezes. Uma combinação de instituições frágeis, um Judiciário visto como corrupto e politizado, desconfiança na própria moeda, altos gastos públicos e baixa produtividade explicam por que é tão difícil consertar a economia argentina de forma permanente. A instabilidade econômica impacta em cheio a política. Prova disso é que, mesmo com todos os seus erros e derrotas, Macri fez história. No dia 10 de dezembro, ele será o primeiro presidente – que não era nem militar nem peronista – a chegar ao fim de seu mandato constitucional nos últimos noventa anos.

Além de uma negociação complexa com o FMI, a Argentina ainda terá de enfrentar a pior fase em décadas com seu parceiro comercial mais importante: o Brasil. Mesmo quando a vitória de Fernández já era fato praticamente consumado, Bolsonaro não se furtou a atacá-lo. Para o presidente brasileiro, a volta da esquerda ao poder em Buenos Aires é uma oportunidade irresistível para promover suas teses escalafobéticas de que o Brasil estaria rodeado por governos controlados pelo Foro de São Paulo. Ao que tudo indica, o impacto negativo na relação entre os dois países será imediato. Como presidente pro tempore do Mercosul, cabe a Bolsonaro organizar a próxima cúpula semestral com os demais presidentes. Embora o segundo encontro geralmente aconteça depois do dia 15 de dezembro, o mandatário brasileiro fez questão de marcá-lo para o dia 5, impossibilitando a participação de Alberto Fernández, cuja posse será cinco dias depois. No dia da eleição, Fernández publicou uma foto nas redes sociais fazendo símbolo de Lula Livre. 

Além da rixa entre Bolsonaro e Fernández, três fatores estruturais devem complicar a relação. O primeiro é que, enquanto o governo brasileiro busca promover uma ampla liberalização comercial, o novo governo argentino é muito mais cético em relação ao livre comércio. Embora Fernández não seja tão protecionista quanto Cristina Kirchner, também está longe do pensamento liberal de Paulo Guedes. O presidente eleito já comentou que pretende renegociar o acordo comercial com a União Europeia, algo que o Brasil deseja evitar. Pouco antes do primeiro turno, Bolsonaro ameaçou “excluir” a Argentina do Mercosul caso o novo governo adotasse uma postura protecionista. Trata-se de uma ameaça impossível e que demonstra a extensão da ignorância de Bolsonaro a respeito do funcionamento do bloco, mas que teve uma péssima repercussão na Argentina. O desentendimento entre Brasília e Buenos Aires cria uma incerteza geral sobre o futuro do Mercosul. O cenário cada vez mais provável é que o bloco deixe de ser uma união aduaneira para ser apenas uma área de livre comércio, sem tarifa externa comum.

O segundo fator estrutural é que Bolsonaro e Fernández terão posicionamentos divergentes sobre a crise na Venezuela. É provável que a Argentina saia do Grupo de Lima, que reconhece Juan Guaidó como presidente, e se alinhe a Uruguai, México e Bolívia, que ainda reconhecem Nicolás Maduro. A fragmentação da região tornará a cooperação vis-à-vis na Venezuela ainda mais difícil, quer seja para coordenar melhor a resposta ao fluxo de migrantes venezuelanos ou a resposta aos abusos sistemáticos do governo.

Por último, Bolsonaro e Fernández discordarão sobre como lidar com as tensões crescentes entre Washington e Pequim. Enquanto o presidente brasileiro tem preferência clara, e busca se aproximar dos Estados Unidos e de seus aliados, Fernández provavelmente articulará uma maior aproximação com a China, ciente da importância de investimentos chineses para iniciar uma recuperação da economia. É uma má notícia para a América do Sul, pois haverá pouco espaço para dialogar sobre como lidar com a nova guerra fria, que será o fator determinante das relações internacionais dos próximos anos. Com pouca ajuda de seus presidentes, caberá às sociedades brasileira e argentina a tarefa de preservar os importantes avanços feitos na relação bilateral ao longo dos últimos anos.

Oliver Stuenkel

Oliver Stuenkel é professor de Relações Internacionais da FGV em São Paulo

Leia também

Relacionadas Últimas

A oposição subterrânea na Argentina

É de dentro do metrô de Buenos Aires que vem a mais nova onda contra o presidente candidato à reeleição

Estupor e tremores

A eleição presidencial e a vertigem econômica na Argentina

Trégua negociada atrás das grades

Documento do sistema penitenciário mostra como chefes do tráfico presos em Rondônia disputam à distância o controle da Rocinha

Bolsonaro, Marielle e a tempestade no Twitter

Entre os voos para Brasília e a presença do então deputado na Câmara, tempo apertado afasta hipótese de que Bolsonaro estivesse no Rio para receber acusado de matar vereadora  

Ruptura de bolsonaristas com PSL ganhou asas no Twitter

Disputa por controle do partido impulsionou menções a Eduardo e Joice na rede

Scorsese pede para se explicar

Quem sonha em fazer filmes enfrenta situação brutal, afirma cineasta

Silêncio na “República de Curitiba”

Com Lula solto, acampamentos de militantes se desfazem, e capital paranaense volta à rotina

Projeto da piauí é um dos vencedores de desafio do Google

"Refinaria de Histórias" vai transformar reportagens em séries, filmes e documentários

Maria Vai Com as Outras #6 – parte II: Trans – Gênero, corpo e trabalho

A advogada Márcia Rocha fala sobre a inserção de pessoas trans no mercado de trabalho formal

PT e aliados preparam campanha Lula-2022

Solto, ex-presidente vai percorrer o país e comandar oposição a Bolsonaro

Os donos do Supremo

Professora da FGV critica poder absoluto da presidência da Corte sobre pauta de votação: “Pode levar todo o tribunal para o buraco”

Mais textos
1

Começo para uma história sem fim

Como uma foto, um porteiro e um livro de registros complicaram ainda mais a investigação do caso Marielle

2

O estelionatário

O brasileiro que enganou um mafioso italiano, políticos panamenhos e Donald Trump

4

PT e aliados preparam campanha Lula-2022

Solto, ex-presidente vai percorrer o país e comandar oposição a Bolsonaro

6

Os donos do Supremo

Professora da FGV critica poder absoluto da presidência da Corte sobre pauta de votação: “Pode levar todo o tribunal para o buraco”

7

Foro de Teresina #76: O mistério da casa 58, o golpismo bolsonarista e o pacote de Paulo Guedes

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

8

A vida dos outros e a minha

Memórias de uma estudante brasileira fichada pela Stasi

9

Na piauí_158

A capa e os destaques da revista que começa a chegar às bancas

10

Silêncio na “República de Curitiba”

Com Lula solto, acampamentos de militantes se desfazem, e capital paranaense volta à rotina