questões de forno e fogão

O Selvagem da Glória

Para inaugurar nossa cozinha chique, uma receita que é o puro espírito da Cozinha Transcendental: um doce de bananas muito perigoso

Maria Cecilia Marra
05jul2016_17h18

Depois do último post, datado da época em que os dinossauros caminhavam sobre a Terra, um silêncio absoluto desceu sobre a Cozinha Transcendental. Era a tristeza: a redação estava de mudança, mas nosso enorme e indomável fogão industrial, não. A perda foi grande.

O Selvagem da Glória estava para a Cozinha Transcendental como Lucille para BB King, Blackie para Eric Clapton e Lucy para George Harrison.

Viemos para Ipanema, Selvagem ficou na Glória. Como continuar a Cozinha sem seu coração? Inicialmente tínhamos apenas um fogão de balcão, bonito mas muito delicado em comparação, o que ofereceu a desculpa perfeita para um mergulho em queda livre no luto. Sem forno, seria desonesto tratar de questões de forno e fogão.

Felizmente o tempo passa e tudo se ajeita. No caso da Cozinha Transcendental, fez isso lindamente. Nossa cozinha fica na cobertura e seria, digamos, o fascinator que coroa o prédio elegantemente vestido de cobogós.

 

O teto da nova Cozinha T. é um toldo pantográfico que permite cozinhar a céu aberto ou jantar sob as estrelas. O understudy versão Ipanema de Selvagem é uma maquininha de gelo que resmunga sem parar enquanto produz anéis gelados em quantidade suficiente para interromper de sopetão o cozimento de caldas à beira do desastre. Evidentemente, ela não tem a estatura de Selvagem, mas como personalidade não faz feio. Na verdade, a maquininha de gelo orna com o novo endereço e estreou junto com um forno, que também é delicado mas cumpre a sua função. Enquanto isso, Selvagem aguarda na Glória a sua nova encarnação.

E para inaugurar nossa cozinha chique, uma receita que é o puro espírito da Cozinha Transcendental: um doce de bananas muito perigoso. É facil de fazer, delicioso, fica pronto no máximo em 20 minutos e dá para mentir que deu um trabalhão.[piaui_image alinhamento="Direita" imagem="200860"]Paula Cardoso, que se considera totalmente inexperiente em assuntos de cozinha, se ofereceu para preparar o doce e testar se de fato é facil:"Realmente, essa receita não tem mistério. Eu, que sou uma negação na cozinha, consegui fazer e ficou maravilhoso! Tirei onda com o povo aqui da redação dizendo que foi super trabalhoso, mas a verdade é que foi super fácil!"

DOCE DE BANANAS PERIGOSÍSSIMO

Ingredientes:

BANANAS

• 1 xícara muito comedida de açúcar cristal;
• 1 kg de bananas (d'água ou nanicas) mais ou menos;
• 1/2 casca de limão ralada.

Antes de mais nada, ligue o forno na temperatura máxima.

Descasque e corte as bananas em rodelas, acomode as rodelas de modo a cobrir todo o fundo do refratário em que o doce vai ser servido, espalhe o açúcar por cima e dê uma chacoalhada para garantir que os cristais de açúcar envolvam todos os pedaços. Acrescente um pouco de água (4 ou 5 colheres de sopa), cubra com papel alumínio e leve ao forno bem quente até borbulhar. Retire o papel alumínio e espere amorenar. Mas atenção, depois de retirar o papel, olho no forno: açúcar queima muito rápido.

Enquanto as bananas assam:

CREME

• 1 lata de leite condensado;
• 1/2 litro de leite;
• 2 gemas;
• 1 colher de sopa rasa de essência de baunilha;
• 1 colher de sopa rasa de maisena;
• 1 colher de sopa de manteiga (entra só no final).

Bata tudo - exceto a manteiga - no liquidificador, transfira para um refratário e leve ao microondas na temperatura máxima por 10 minutos. Claro que depende da potência, mas o creme deve parecer um mingau grosso e borbulhante. Se necessário, aumente mais 1 ou 2 minutos.

O creme vai sair do microondas com aparência péssima, todo empelotado e fosco. Tudo certo. Acrescente uma colher de sopa de manteiga e com o fouet bata vigorosamente até que o desastre se transforme em um creme acetinado, homogêneo. Aqui cabe uma observação importante: como a receita é muito fácil, repetimos algumas vezes e a aparência do creme variou - inexplicavelmente - de crepe de seda a cetim. O gosto se manteve sempre excelente. É um mistério.

A esta altura as bananas já assaram. Espalhe sobre elas a casca ralada de 1/2 limão. Cubra tudo com o creme, borrife a superfície com canela em pó. Espere esfriar, leve à geladeira. Até no congelador chegamos a colocar, para atender aos mais afoitos. É um doce infalível.

[piaui_image alinhamento="Direita" imagem="200863"]Comentário da Raquel, nossa editora de sobremesa:"Bem, do alto de minha fama de sobremeseira, posso dizer que esse doce de banana leva o meu selo de qualidade. É delicioso, não é açucarado, e não dá vontade de parar até que acabe. Foi preciso sair correndo depois do terceiro pedaço pra não dar vexame, afinal tinha mais gente na fila pra provar. O toque do limão, marca registrada da Cecília, deixa esse doce com um sabor fenomenal."

Confira mais receitas aqui

 

 

Maria Cecilia Marra

Desenhista, é diretora de arte da piauí

Leia também

Últimas Mais Lidas

Rebelião contra Aras

Ao protestar contra inquérito das fake news, chefe do Ministério Público Federal deflagra reação na instituição

STJ, novo ringue de Bolsonaro

Tribunal tem papel decisivo na crise entre presidente e governadores

Witzel a Jato 

Celeridade da Procuradoria da República contra governador do Rio surpreende na operação que expôs contratos da primeira-dama com um dos maiores fornecedores do estado

Esgares e sorrisos

Cinemateca Brasileira em questão

Sem prova nem lápis emprestado

Estudante brasileira em Portugal relata transformações na rotina escolar depois da epidemia de Covid-19

Na contramão do governo, brasileiros acreditam mais na ciência

Pesquisa inédita aponta que, durante a pandemia, 76% dos entrevistados se mostraram mais interessados em ouvir orientações de pesquisadores e cientistas

Médico no Rio se arrisca mais e ganha menos

Governo Witzel corta adicionais de insalubridade de profissionais que atuam contra a Covid-19 em hospital da Uerj

Maria vai com as outras #8: Ela voltou

Monique Lopes, atriz pornô e acompanhante, fala novamente com Branca Vianna, agora sobre seu trabalho durante a pandemia do novo coronavírus

Autor de estudo pró-cloroquina admite erros em pesquisa

Enquanto isso, maior investigação já realizada sobre a droga reitera que não há benefício comprovado contra Covid-19 e alerta para riscos

Mais textos
1

Dentro do pesadelo

O governo Bolsonaro e a calamidade brasileira

2

Mortos que o vírus não explica

Belém tem quase 700 mortes a mais do que o esperado apenas em abril; oficialmente, Covid-19 só matou 117

3

Autor de estudo pró-cloroquina admite erros em pesquisa

Enquanto isso, maior investigação já realizada sobre a droga reitera que não há benefício comprovado contra Covid-19 e alerta para riscos

4

Amazônia perto do calor máximo

Pesquisa inédita revela que, acima de 32 graus Celsius, florestas tropicais tendem a emitir mais carbono na atmosfera do que absorver

5

Médico no Rio se arrisca mais e ganha menos

Governo Witzel corta adicionais de insalubridade de profissionais que atuam contra a Covid-19 em hospital da Uerj

6

Na contramão do governo, brasileiros acreditam mais na ciência

Pesquisa inédita aponta que, durante a pandemia, 76% dos entrevistados se mostraram mais interessados em ouvir orientações de pesquisadores e cientistas

7

Sem prova nem lápis emprestado

Estudante brasileira em Portugal relata transformações na rotina escolar depois da epidemia de Covid-19

8

Foro de Teresina #101: Bolsonaro sob pressão

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

9

Witzel a Jato 

Celeridade da Procuradoria da República contra governador do Rio surpreende na operação que expôs contratos da primeira-dama com um dos maiores fornecedores do estado

10

Uma biografia improvável

O que são vírus – esses parasitas que nos deram nada menos que 8% do nosso DNA