questões eleitorais

No submundo do marketing político

Como funciona o mercado ilegal de santinhos virtuais via zap

Malu Gaspar
22out2018_19h54
ILUSTRAÇÃO: PAULA CARDOSO

No início deste ano, quando ainda discutia com potenciais candidatos a sua entrada em alguma campanha, um marqueteiro de um político influente do Rio de Janeiro reuniu-se em uma sala comercial no Centro da cidade com um personagem do submundo da marquetagem eleitoral. Este último, dono de uma empresa que ele mesmo dizia ser “de conteúdo”, mas que na prática vendia cadastros e envios de mensagens, fez duas ofertas de serviços.

A primeira consistia em disparos de mensagens de WhatsApp para um universo de mais de cem milhões de celulares no Brasil (pouco menos da metade do número de aparelhos no país), conforme o interesse do cliente. Com softwares específicos, prometia filtrar dados e montar grupos sob medida: mulheres de baixa renda de Duque de Caxias, taxistas da Zona Oeste do Rio, comerciantes do Centro da cidade…

A segunda oferta era um pouco mais elaborada. Pressupunha conseguir que alguma liderança conhecida em bairro, região ou grupo de interesse da candidatura – como um pastor evangélico ou um artista – autorizasse o uso do próprio telefone para disparar mensagens para grupos. Essa alternativa tinha a vantagem evidente de fazer as mensagens parecerem espontâneas e, assim, transmitirem mais credibilidade aos destinatários. Além disso, iriam diretamente a pessoas já propensas a absorver e multiplicá-las. Os serviços tinham preços variados. Caso fosse usada a lista de telefones do próprio candidato, cada mensagem custaria 10 centavos (de real). Se a empresa tivesse que fornecer o seu próprio cadastro, 30 centavos. O marqueteiro, hoje envolvido em uma disputa estadual acirrada, diz não ter contratado os serviços. “Foi um erro de avaliação. Achei que não ia ser tão determinante. Também faltava grana, porque não era barato. E também me preocupou a perspectiva de punição, já que eu estaria mandando mensagens para pessoas que não haviam se inscrito para recebê-las”, contou, pedindo para não ser identificado. “Como eu não sabia ainda para quem trabalharia, agradeci a oferta e deixei para depois.”

Mais recentemente, outro personagem do submundo das campanhas procurou o assessor de uma candidata a deputada federal, oferecendo o mesmo tipo de serviço para envios de mensagens no dia da eleição – o que, na prática, configuraria boca de urna via WhatsApp. “Ele disse que cobraria 1 real por mensagem, enviando 100 mil zaps para eleitores da região dela”, disse o assessor, que também pediu anonimato – e  garantiu não ter contratado o serviço. “Ele contou que estava trabalhando para várias candidaturas, incluindo a do Wilson Witzel [candidato a governador pelo PSC].”

 

O mercado de santinhos virtuais via WhatsApp existe no Brasil desde 2014, mas só nesta eleição ganhou importância e visibilidade, graças à ampla disseminação dos smartphones e do uso do aplicativo entre uma eleição e outra – e, principalmente, do papel que a rede social está tendo na campanha de Jair Bolsonaro. No dia 18 de outubro último, a Folha de S.Paulo afirmou que empresários que apoiam a candidatura do ex-capitão do Exército gastaram até 12 milhões de reais com o envio de mensagens contra o PT de Fernando Haddad. A denúncia ainda está por ser comprovada, mas já serviu para expor um negócio que, até agora, funcionava na sombra – o mercado paralelo de envio de mensagens por WhatsApp para campanhas políticas.

Alimentado por cadastros de telefones que, em sua maioria, são obtidos ilegalmente, e funcionando a partir de uma grande quantidade de chips de celulares, tais mensagens são enviadas sem a autorização dos usuários. Como quem as remete pode ser punido pela Justiça Eleitoral, são mais utilizadas para transmitir fake news e desconstruir a imagem de adversários políticos.

Nos últimos dias, conversei com quatro marqueteiros que trabalham para campanhas presidenciais e estaduais e com o dono de uma empresa de publicidade que vende disparos de mensagens para clientes corporativos. Embora nem todos admitam ter comprado o serviço, todos afirmam que ele se tornou obrigatório e foi contratado por partidos de todo o espectro político. Um desses marqueteiros, inclusive, calculou que, desde 2014, a quantidade de programadores capazes de executar o envio de milhões de mensagens por WhatsApp no Brasil aumentou de cerca de dez para algo em torno de cinquenta. Trata-se de um mercado relativamente conhecido nos meios políticos – mas praticamente clandestino.

Surpreendeu muita gente, por exemplo, a constatação de que é possível enviar tantas mensagens para tantas pessoas ao mesmo tempo. No Brasil, o WhatsApp só permite encaminhar simultaneamente uma mensagem para até vinte conversas diferentes e só formar grupos de no máximo 256 pessoas. As empresas de publicidade, porém, usam softwares que, acoplados ao chip de um celular, permitem disparar entre 20 mil e 60 mil mensagens de uma vez.  Portanto, para enviar milhões de zaps basta ter à disposição milhares de chips. A assessoria do WhatsApp explica que, neste caso, é como se cada chip fosse uma “superpessoa” que disparasse as mensagens em ritmo frenético.

Como no Brasil é difícil comprar chips em grandes quantidades, esses empresários costumam buscá-los em países onde há menos controle, como a China ou a Ucrânia, usando-os lá fora ou trazendo-os para o Brasil, com números estrangeiros. Segundo o marqueteiro que admitiu ter usado o serviço nesta eleição, os chips nacionais estão funcionando melhor, porque duram mais e despertam menos suspeitas sobre a origem da mensagem. Ainda não se sabe como os disparadores conseguem os milhares de chips necessários, mas certamente não é nos balcões de lojas de telefônicas em shoppings centers.

As infrações cometidas pelos disparadores de mensagens começam no modo como eles obtêm os números de telefones. Ao mercado legal, esses números costumam ser fornecidos por consumidores que preenchem cadastros em lojas, em sites ou no Facebook. Aos partidos políticos, são cedidos por filiados ou simpatizantes que deixam seus contatos para receber propaganda. Enviar spam para qualquer telefone fora desse universo é ilegal, mas relativamente fácil. “Basta procurar [por cadastros, em lojas] na rua Santa Ifigênia, em São Paulo, ou no Saara, no Rio”, conta o empresário que vende disparos a clientes corporativos. Outro canal de abastecimento de cadastros, segundo ele, são os próprios funcionários de empresas de telefonia, que vendem os números clandestinamente. “Essas listas viraram commodity para essa galera”, diz o marqueteiro que avaliou o serviço no Rio.

Já os tipos de conteúdo variam conforme a necessidade do freguês – em geral, dirigem-se contra o adversário, disseminando informação falsa. “Ninguém vai se arriscar a ser punido por mandar algo a favor”, resume um deles. São links para vídeos, memes ou pequenos textos, junto com o pedido para que o receptor passe adiante. Nas últimas semanas, circularam nas redes de Bolsonaro e de Fernando Haddad vários desses conteúdos.

Outra forma de disseminação de fake news são os links para pesquisas de opinião fajutas. Com perguntas como “Você sabia que fulano de tal foi condenado por corrupção?”, essas pesquisas circularam em alguns estados brasileiros no primeiro turno. Trata-se de uma deturpação das opposition research, ou pesquisa de oposição, tática amplamente utilizada na última eleição presidencial americana, vencida por Donald Trump.

 

O primeiro caso famoso de disparos de mensagens em massa no Brasil ocorreu na eleição de 2014, dois dias antes do segundo turno: elas diziam que o doleiro Alberto Youssef, delator da Lava Jato que afirmou que Dilma sabia da corrupção na Petrobras, tinha sido envenenado. A Polícia Federal teve de desmentir a história e publicar fotos do doleiro, que tinha apenas sofrido uma queda de pressão e se restabelecia no hospital.

Na campanha atual, as fake news passaram de exceção a regra. As empresas citadas pela Folha são conhecidas no mercado por fazerem esse tipo de serviço para campanhas políticas. No dia seguinte à publicação da reportagem, tais empresas – Yacows, SMS, Croc e Quickmobile – tiveram contas bloqueadas pelo WhatsApp, e mais de 100 mil usuários foram banidos da rede. O Tribunal Superior Eleitoral e a Procuradoria-Geral da República também entraram no caso e devem investigar o uso desses serviços de disparo em todas as candidaturas. Caso comprovada, a prática pode levar à impugnação da candidatura. Um dos empresários citados pela Folha, Luciano Hang, dono da varejista Havan, foi multado em 10 mil reais em setembro por impulsionar a candidatura de Bolsonaro via Facebook. Ele, porém, nega ter contratado os serviços de WhatsApp.

Todos os publicitários contam que os envios podem ser rastreados – tanto que as ofertas de serviços para campanhas costumam incluir relatórios com a quantidade de disparos realizados, informando de quais telefones foram feitos, quantos e quais foram lidos e quantos foram repassados. E, no entanto, até o momento tudo isso acontecia livremente, sem qualquer fiscalização. Só agora, com o estrago feito, o WhatsApp passou a bloquear mensagens e prestar satisfações ao público sobre o que ocorre em suas redes. A providência é bem- vinda, mas a essa altura a disseminação de informações falsas já não pode mais ser contida.

Malu Gaspar (siga @malugaspar no Twitter)

Malu Gaspar, repórter da piauí, é autora do livro Tudo ou Nada: Eike Batista e a Verdadeira História do Grupo X, da Editora Record

Leia também

Relacionadas Últimas

Exclusão de perfil irregular no WhatsApp não bloqueia rede de desinformação

Mesmo que aplicativo suspenda contas com acesso indevido a bases de usuários, grupos continuam ativos

Oito segundos na tevê; 897 grupos de WhatsApp

Major Olímpio, cabo eleitoral de Bolsonaro em São Paulo, quer atingir milhões com mensagens diretas nas redes sociais

Nos tribunais, o lobby das bombas de insulina

Em cinco anos, a Justiça paulista favoreceu a fabricante Medtronic em 76% das decisões que deram o aparelho a diabéticos; conselho condena "relação antiética" entre médicos e empresa

Médicos de menos, as doenças de sempre

A história de quatro pacientes crônicos do sertão do Ceará que estão há um mês sem os tratamentos que precisam, após a saída dos profissionais cubanos do país

Foro de Teresina #31: O escândalo do motorista, o antiministro do Meio Ambiente e o barraco do PSL

O podcast da piauí analisa os fatos mais recentes da política nacional

Na Câmara, com o novo e o seminovo

Dois deputados em primeiro mandato – um novato autêntico e o herdeiro de seis gerações de parlamentares – contam sua preparação para sobreviver em Brasília

Bloqueio – caminhoneiros em greve

Incertezas retratadas no documentário são referência para entender as mudanças políticas no país

“Me fingi de morta e assim sobrevivi”

Sobrevivente da chacina da Catedral de Campinas reconstitui a cena da tragédia, protagonizada por um assassino de família católica praticante

Mulheres de “facção”

Sem emprego formal, costureiras trabalham até 14 horas por dia para intermediários da indústria da moda, as chamadas “facções”

Olavo interrompido

Guru do governo Bolsonaro tem participação na Cúpula Conservadora das Américas frustrada pelo meio que o fez famoso, a internet

Não é só pelos 6 centavos de euro

Quem são e o que pensam os “coletes amarelos” e como lideraram um movimento popular e populista que paralisa a França há três semanas

Expansionista, Guedes sofre sua primeira derrota

Futuro ministro da Economia incluiu Apex na estrutura da sua pasta, mas perdeu a agência de comércio após disputa com Itamaraty

Mais textos