questões jurídico-políticas

A última esperança petista sai de férias

Supremo mantém Lula preso; para advogados do ex-presidente, ministro Celso de Mello sinalizou para um lado e virou para o outro

Thais Bilenky
25jun2019_21h42
FOTO DE NELSON JR./SCO/STF

O advogado Cristiano Zanin Martins não parou de tremer os pés em mais de três horas de sessão. Cruzava e descruzava a perna esquerda sobre a direita. Sua mulher e sócia, Valeska Teixeira Martins, olhava fixamente os cinco ministros do Supremo Tribunal Federal reunidos na segunda turma na tarde de terça-feira, 25 de junho. O mais enigmático deles era o decano Celso de Mello, escondido atrás de uma pilha de livros e papéis. Segurava nas mãos a decisão que poderia soltar o ex-presidente Lula, cliente do casal, depois de 444 dias de cárcere.

Eram mais de sete horas da noite quando Celso de Mello começou a proferir seu voto. “Estou pessoalmente pronto para julgar o mérito desse habeas corpus. O meu voto foi concluído ontem à noite, na verdade, nesta madrugada. É um longo voto”, introduziu. Mas nunca chegou a lê-lo. A presidente da segunda turma, Cármen Lúcia, já havia indicado que os ministros só analisariam uma liminar apresentada pelo ministro Gilmar Mendes pela soltura de Lula até o julgamento do mérito do habeas corpus que pede a suspeição do juiz que o condenou, Sergio Moro. Caso o ex-magistrado, hoje ministro da Justiça do governo Bolsonaro, fosse considerado suspeito, a sentença proferida seria anulada, e o petista, solto.

Fiel a seu estilo, o ministro Celso de Mello anunciou: “Estaria de pleno acordo com a continuidade do julgamento, mas vejo que há razão da impossibilidade, portanto, ainda que reconhecendo o que acaba de dizer o ministro Ricardo Lewandowski, não tenho nada a opor ao adiamento deste julgamento, embora enfatize que estou inteiramente preparado para proferir o meu voto, que está aqui, completamente datilografado, digitado e pronto.”

O prólogo rocambolesco levou o ex-ministro da Justiça José Eduardo Cardozo a roer a unha do dedo médio da mão direita.  Celso de Mello continuava a falar.

“Que não se interprete o meu voto como sendo a antecipação de minha decisão futura quando do julgamento final do presente habeas corpus”, avisou. Celso de Mello passou então a citar o que sustentara ao declarar a suspeição de Moro em 2013 no caso  Banestado, ocasião em que foi voto vencido. O ministro argumentou pela anulação do processo que condenou o doleiro Rubens Catenacci por crime contra o sistema financeiro nacional, que causou prejuízo aos cofres públicos em meio bilhão de reais. Mello afirmou que Moro, naquele caso, fora parcial ao, entre outras medidas, acatar o monitoramento dos voos dos advogados de Catenacci para garantir a execução de ordem de prisão.

“Nós sabemos que há uma grande discussão em matéria processual penal no sentido de que o poder geral de cautela do juiz não pode ser utilizado nem invocado em favor do Estado, tendo em vista o princípio da estrita legalidade”, arrematou o decano.

Advogados de Lula e outros criminalistas que assistiam à sessão, como Fabio Tofic Simantob, ajeitaram-se nas cadeiras. Zanin esfregava uma mão na outra, entrelaçava os dedos, voltava a esfregar as mãos. Parecia que o ministro caminhava em direção à cela do ex-presidente para liberá-lo ainda que provisoriamente.

Até que Celso de Mello alterou a rota. “Quando se discute a questão da revelação de fatos e eventos por aquele portal The Intercept Brasil, pela própria inimputez daqueles fatos, em razão de seu conteúdo haver sido contestado pelo ex-juiz federal Moro, quanto à sua autenticidade, havendo ele afirmado correta ou incorretamente, não vem ao caso, que essa disclosure [divulgação] dos dados poderia ter sofrido edição ou até mesmo adulteração…” O ministro não terminou a frase, mas abria o caminho para sustentar que desta vez, diferentemente de 2013, as evidências de parcialidade de Moro precisariam ser melhor examinadas.

Sua voz ficou mais grave e ele concluiu o voto. “Me manifesto no sentido do indeferimento da concessão da medida cautelar [que soltaria Lula até segunda ordem], mas insistindo que esse meu pronunciamento não antecipa a decisão que eu já tenho preparada para examinar o mérito, o fundo da controvérsia”, decretou.

Cármen Lúcia rapidamente reiterou sua posição contra a liminar. Edson Fachin já o havia feito. Gilmar Mendes e Lewandowski já tinham dado o voto a favor da libertação do ex-presidente. Com o recesso do Supremo, a retomada do caso ficou para agosto. Quando julgar o mérito do HC – a suspeição de Moro –, tudo indica que Celso de Mello, mais uma vez, será o fiel da balança.

“Vou para Portugal e Siena, mas me arrependi”, contou Lewandowski a Cardozo, já terminada a sessão. “Esse negócio de tirar férias…”, brincou. Já caminhando em direção ao estacionamento, Tofic foi cumprimentar Valeska. Comentaram a ambiguidade do voto de Celso de Mello. “Ele deu seta para a esquerda e…”, afirmou a advogada. “Virou para a direita”, completou o colega. “Ou ficou parado, vamos ver”, esperançou-se a defensora de Lula. “O ministro Celso fez três vezes a ressalva de que sua posição não era definitiva”, pontuou Zanin. E entrou no carro.

Thais Bilenky (siga @thais_bilenky no Twitter)

Repórter na piauí. Na Folha de S.Paulo, foi correspondente em Nova York e repórter de política em São Paulo e Brasília

Leia também

Últimas Mais Lidas

Vítimas de Mariana cobram R$ 25 bi de mineradora BHP na Inglaterra

Juiz deve decidir em junho se vai julgar o processo, o maior em número de vítimas da história do Reino Unido

Passarinho vira radar de poluição

Pesquisadores usam sangue de pardais para medir estrago de fumaça de carros e caminhões em seres vivos

Foro de Teresina #68: Censura na Bienal, segredos da Lava Jato e um retrato da violência brasileira

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Presos da Lava Jato unidos contra os ratos e o tédio

Condenados por crimes de colarinho-branco já caçaram roedores e fizeram faxina em complexo penal; transferidos para hospital penitenciário e sem ter o que fazer, gastam o tempo com dominó  

O maestro e sua orquestra – andamento lento e músicos desafinados

Governo se julga no direito de “filtrar” projetos incentivados com verba pública, mas filtrar é eufemismo para censurar

Quando a violência vem de quem deveria proteger

Quatro meninas são estupradas por hora, a maior parte dentro de casa, e 17 pessoas são mortas pela polícia por dia, revelam dados do Anuário de Segurança Pública

“Poderia ter sido eu a morrer ali no ponto de ônibus”

Como a morte espreita a juventude negra no Rio de Janeiro, estado com maior taxa de homicídios em ações policiais

Léros Léros em Itaipu

Brasil se recusa a pagar prejuízo de US$ 54 milhões; presença de suplente do PSL em reuniões binacionais aumenta crise e atrapalha renegociação para 2023

Traídas pela Renata

Deputada acusada de usar candidatas laranjas agora quer flexibilizar cotas eleitorais para mulheres; bancada feminina entra em guerra contra “lei da maridocracia”

Mais textos
1

Léros Léros em Itaipu

Brasil se recusa a pagar prejuízo de US$ 54 milhões; presença de suplente do PSL em reuniões binacionais aumenta crise e atrapalha renegociação para 2023

2

“Poderia ter sido eu a morrer ali no ponto de ônibus”

Como a morte espreita a juventude negra no Rio de Janeiro, estado com maior taxa de homicídios em ações policiais

3

Vítimas de Mariana cobram R$ 25 bi de mineradora BHP na Inglaterra

Juiz deve decidir em junho se vai julgar o processo, o maior em número de vítimas da história do Reino Unido

4

Presos da Lava Jato unidos contra os ratos e o tédio

Condenados por crimes de colarinho-branco já caçaram roedores e fizeram faxina em complexo penal; transferidos para hospital penitenciário e sem ter o que fazer, gastam o tempo com dominó  

6

A guerra contra o termômetro

Quando chegam más notícias sobre o desmatamento, os governos atacam o emissário

9

Bacurau – celebração da barbárie

Filme exalta de modo inquietante parceria entre povo desassistido e bandidos

10

Cortes de Bolsonaro emperram pesquisa para deter câncer incurável no cérebro

Sem bolsas federais, pesquisadora aprovada em primeiro lugar na UFRJ atrasa estudo sobre vírus da zika como arma contra tumor