Na revista

piauí_55

Abril_2011

ou
Ver Todas

memórias vertiginosas

Rakudianai

A política, a prisão, o encontro com o crocodilo, o julgamento e meu pai: lembranças de quarenta anos atrás

Persio Arida

questões histórico-televisivas

A volta da madrinha

Hebe Camargo teria mudado desde que ficou famosa, em 1965? O Brasil e a televisão mudaram, mas a modernização conservadora não eliminou alguns aspectos arcaicos da sociedade. O público preferencial do programa – donas de casa de classe média – não comprovaria a persistência dos valores desse segmento?

Eduardo Escorel

memórias pouco diplomáticas

Videla é a mãe

A inauguração de Brasília e a missão brasileira na ONU: às vezes, a clareza e a brevidade são absolutamente necessárias

Marcos de Azambuja

diário da Dilma

A musa fashion e o lacaio da burguesia

Assim que subiu a rampa, Obama encostou aquele beição no meu cangote e sussurrou: “Hello, prisidenta.” Quase tive um piripaque

55

memórias sentimentais

Permanência e desfiguração

Sartre e Simone de Beauvoir; minha irmã e Deleuze; eu e Simone de Beauvoir; minha irmã e Sartre

Claude Lanzmann

memórias estrangeiras

Tufão, tromba, trombeta: dadá

Odores de Bucareste, solidão em Milão, restaurantes franceses com cozinheiros chineses em Nova York

Saul Steinberg

ficção

Migalhas de um casamento

Com 86 anos, a gente tem o direito de começar a viver. Tem noites assim. Noites em que um homem se levanta e age

Fred Vargas

humor

O popular exaltado

Aristóteles e Sêneca analisam o sujeito que cospe, berra, xinga, faz discurso em cima do caixote e se julga permanentemente ultrajado. Suas frases prediletas são “Não tem cabimento” e “Disso a imprensa não fala”

Vanessa Barbara

chegada

Presente para desconhecidos

A memória e a história da Terra saem do sistema solar

Dorrit Harazim

despedida

Passado, presente, futuro

Paul Klee na memória de Walter Benjamin

Walter Benjamin

cartuns

Meio século de sexo

Os costumes eróticos franceses de De Gaulle a Sarkozy

Georges Wolinski

55

55

55

55

55

55

55

55

55

55

esquina

Para a alma mater

Até poltrona de Delfim fica com a USP

Mario Sergio Conti

Sambódromo no Punjab

Jai Hindustan! Pakistan zindabad!

Felipe Marra

Aeromaníacos

Os macetes dos observadores de beira de pista

Bernardo Esteves

Ta graih aym ort

Ou por que salvar uma língua

Ricardo Sangiovanni

Abaporu em trânsito

O homem que se fez antropófago

Felipe Fortuna

O ser e o lhufas

O clube para não fazer nada

André Czarnobai

Agora escureceu

Mãe Dináh segue olhando o futuro, mas não lhe peçam para soletrar

Bruna Talarico

despedida [só no site]

Reali Jr (1941-2011)

Em novembro de 2002, o site Nomínimo, hoje extinto, publicou a seguinte nota sobre o jornalista Reali Jr, que faleceu em São Paulo em 9 de abril

colaboradores

História & memória

Uma edição com lembranças políticas e pessoais