edição do mês

Na piauí_173

A capa e os destaques da edição de fevereiro 

05fev2021_14h38

Um Brasil acima de todos e, ainda assim (ou por isso mesmo), minúsculo: na capa da piauí_173, o designer Pedro Zolli resume a conjuntura brasileira.

Num país em que a Covid-19 matou mais de 220 mil pessoas, a reportagem de Malu Gaspar detalha como o governo Jair Bolsonaro agiu, em público e nos bastidores, para boicotar a “vacina chinesa do Doria”. Em Vivendas do Alvorada, Roberto Andrés mostra como o presidente levou para dentro do seu governo a lógica dos condomínios fechados que desumanizam as cidades.

Sobre o fim da era Trump, o historiador Timothy Snyder, em texto originalmente publicado na NYT Magazine, reflete sobre o pré-fascismo do ex-presidente e o futuro da democracia norte-americana. E o jornalista colombiano Cristóbal Vásquez descreve a invasão dos trumpistas ao Congresso – com a ironia de um repórter latino-americano que cobre uma tentativa de golpe nos Estados Unidos. 

Na quarta parte da série Arrabalde, João Moreira Salles narra como a cidade de Paragominas, no interior do Pará, conseguiu se organizar para poupar suas florestas. 

Em O dia em que eles caíram do céu, João Batista Jr. reconstitui o acidente aéreo que matou metade dos passageiros e tripulantes no litoral da Bahia em novembro de 2019 e revela que alguns dos sobreviventes resolveram processar o dono do avião – um bilionário pouquíssimo conhecido.

A edição de fevereiro traz ainda um trecho do livro Cartas a uma Negra: Narrativa Antilhana, da franco-martinicana Françoise Ega, no qual a autora se dirige à brasileira Carolina Maria de Jesus, que jamais conheceu. 

Nas Esquinas, as escolas de samba do Carnaval de Maquete; um militar macumbeiro, muçulmano e antibolsonarista; intrigas divinas contadas ao pé do ouvido e uma diretora que reflete sobre o passado e o futuro dos negros. 

*

Um pedido de desculpas: na capa impressa da edição 173, a palavra ‘fascismo’ foi grafada incorretamente. Pedimos desculpa pela falha na hora da revisão (e torcemos para que isso não tenha sido uma perigosa premonição de que vem aí algo ainda pior que o fascismo!)

Atualizado em 6 de fevereiro de 2021, às 13h47.

Leia também

Últimas

Lugar de militar é no quartel

Emenda que barra militares da ativa na administração pública é insuficiente, mas um bom começo para tirar Forças Armadas da política

Nome aos números

No dia em que o Brasil ultrapassa a marca de 500 mil mortos pela Covid-19, um pouco da história de 133 deles

Doria x Ciro, o duelo pelo terceiro lugar

O que funciona ou não nas estratégias de quem se vende como “alternativo”

Um país que vai ficando sem ar

Confira o ritmo das 500 mil mortes pela Covid-19 no Brasil

Séculos de escuridão nas Forças Armadas

Se uma mesma pessoa pedisse acesso a todos os documentos desclassificados pelo Exército desde 2013, levaria 695 anos para receber todas as respostas

Cinco anos para protestos de junho de 2013, sigilo eterno para a exportação de armas

Documentos com informações sobre junho de 2013 ficaram ocultos até 2018; dados sobre armas vendidas ao Zimbábue permanecem sob sigilo industrial

A história do coveiro filósofo

Sepultador narra de que forma a filosofia alemã o ajuda a enfrentar os horrores da pandemia, como tirar o caixão de um filho das mãos da mãe ou enterrar doze pessoas no mesmo dia

Mais textos