vultos da Copa

Jogador malandro e sem cabeleireiro

Zizinho, eleito o melhor do Mundial de 50, e Dadá Maravilha, da seleção de 70, relembram as manhas para infernizar a vida dos zagueiros numa Copa, sem precisar de laquê

25jun2018_23h47
Zizinho, em entrevista à série<i> Futebol</i>
Zizinho, em entrevista à série Futebol / REPRODUÇÃO

No futebol jogado na Copa da Rússia, a rebeldia parece ser mais coisa da cabeça de alguns jogadores. Mais precisamente, dos cabelos deles: descoloridos, desenhados, desgrenhados, grudadinhos, com gumex ou laquê. São os marrentos de salão do futebol moderno.

Zizinho, o Mestre Ziza, eleito o melhor do Mundial de 50, conta o que era ser um “jogador de personalidade”. “Sou rebelde até hoje, não vou mudar nunca. Eu era sempre assim. Por isso não fui para os campeonatos de 54 e de 58. Iam cortar um garoto pra me levar. Comigo, não”, contou, em depoimento gravado originalmente à série documental Futebol, entre 1996 e 1998.

E Dario, o Dadá Maravilha, relembrou as manhas do rebelde raiz que infernizava a vida dos zagueiros. “Os beques me agarravam e eu falava, sossega, eu sou casado. Pra correr comigo pega um táxi. É assim, tudo na psicologia. Tem que ter manha”, disse o atacante, para quem “Pelé, Garrincha e Dadá têm que ser currículo escolar”.

Até o fim da Copa, a piauí vai publicar trechos – alguns deles inéditos – de depoimentos de jogadores das principais seleções brasileiras em Copas do Mundo, como as de 58, 62 e 70. É como se eles estivessem comentando a Copa da Rússia. As gravações foram feitas para a série Futebol, de João Moreira Salles e Arthur Fontes, exibida em maio de 1998 no canal GNT. A direção de fotografia é de Walter Carvalho.

Vídeos da série “Diz aí, mestre”:

– Tostão explica a diferença entre um gênio e um bom jogador;
– Didi ensina a arte do meia-armador, aquele que Tite não tem;
– Zizinho e Ademir da Guia falam da dor de deixar os gramados e das artimanhas do craque para adiar o fim da carreira;
– Nilton Santos, Tostão e Telê Santana investigam a relação de amor e ódio do brasileiro com a seleção;
– Barbosa lembra o quanto custa o erro de um goleiro numa Copa do Mundo;
– Bellini relata como recebeu a braçadeira de capitão;
– Os craques Nilton Santos e Didi contam como driblavam o medo.

Ficha técnica da série “Diz aí, mestre”
Reportagem: Christian Carvalho Cruz
Edição e montagem: Camila Zarur
Edição de imagem: Paula Cardoso
Locução: Luigi Mazza
Imagens: Folhapress, Getty Images, FIFA e Instagram
Coordenação: José Roberto de Toledo e Vitor Hugo Brandalise
Agradecimentos: VideoFilmes, Museu do Futebol e Museu da Pelada

Leia também

Últimas

Reforma administrativa ameaça democracia

Fim da estabilidade dos servidores, uma das propostas da mudança, fragiliza o Estado e coloca em risco as políticas públicas

Matemática que multiplica horas e projetos

Universitário do interior de Alagoas conta como realizou o sonho de conquistar medalhas em olimpíadas científicas e hoje incentiva outros jovens a participar dos concursos

O fim do dinheiro no país dos pixelados

Com o Pix a pleno vapor, cai a circulação de papel-moeda e bancos fecham cada vez mais agências; economia digital, no entanto, ainda exclui parte dos brasileiros

No rastro da Covaxin

Assim como a PF, a piauí vem investigando a Precisa Medicamentos e o escândalo da vacina indiana. Para entender melhor o caso, confira o roteiro do que já publicamos

Foro de Teresina #168: Bolsonaro janta os salvadores da pátria

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Mais textos