vultos da Copa

Jogador malandro e sem cabeleireiro

Zizinho, eleito o melhor do Mundial de 50, e Dadá Maravilha, da seleção de 70, relembram as manhas para infernizar a vida dos zagueiros numa Copa, sem precisar de laquê

25jun2018_23h47
Zizinho, em entrevista à série<i> Futebol</i>
Zizinho, em entrevista à série Futebol / REPRODUÇÃO

No futebol jogado na Copa da Rússia, a rebeldia parece ser mais coisa da cabeça de alguns jogadores. Mais precisamente, dos cabelos deles: descoloridos, desenhados, desgrenhados, grudadinhos, com gumex ou laquê. São os marrentos de salão do futebol moderno.

Zizinho, o Mestre Ziza, eleito o melhor do Mundial de 50, conta o que era ser um “jogador de personalidade”. “Sou rebelde até hoje, não vou mudar nunca. Eu era sempre assim. Por isso não fui para os campeonatos de 54 e de 58. Iam cortar um garoto pra me levar. Comigo, não”, contou, em depoimento gravado originalmente à série documental Futebol, entre 1996 e 1998.

E Dario, o Dadá Maravilha, relembrou as manhas do rebelde raiz que infernizava a vida dos zagueiros. “Os beques me agarravam e eu falava, sossega, eu sou casado. Pra correr comigo pega um táxi. É assim, tudo na psicologia. Tem que ter manha”, disse o atacante, para quem “Pelé, Garrincha e Dadá têm que ser currículo escolar”.

Até o fim da Copa, a piauí vai publicar trechos – alguns deles inéditos – de depoimentos de jogadores das principais seleções brasileiras em Copas do Mundo, como as de 58, 62 e 70. É como se eles estivessem comentando a Copa da Rússia. As gravações foram feitas para a série Futebol, de João Moreira Salles e Arthur Fontes, exibida em maio de 1998 no canal GNT. A direção de fotografia é de Walter Carvalho.



Vídeos da série “Diz aí, mestre”:

– Tostão explica a diferença entre um gênio e um bom jogador;
– Didi ensina a arte do meia-armador, aquele que Tite não tem;
– Zizinho e Ademir da Guia falam da dor de deixar os gramados e das artimanhas do craque para adiar o fim da carreira;
– Nilton Santos, Tostão e Telê Santana investigam a relação de amor e ódio do brasileiro com a seleção;
– Barbosa lembra o quanto custa o erro de um goleiro numa Copa do Mundo;
– Bellini relata como recebeu a braçadeira de capitão;
– Os craques Nilton Santos e Didi contam como driblavam o medo.

Ficha técnica da série “Diz aí, mestre”
Reportagem: Christian Carvalho Cruz
Edição e montagem: Camila Zarur
Edição de imagem: Paula Cardoso
Locução: Luigi Mazza
Imagens: Folhapress, Getty Images, FIFA e Instagram
Coordenação: José Roberto de Toledo e Vitor Hugo Brandalise
Agradecimentos: VideoFilmes, Museu do Futebol e Museu da Pelada

Leia também

Últimas Mais Lidas

Foro de Teresina #129: O Brasil na rabeira

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Dose errada é a certa?

AstraZeneca diz que dose menor de sua vacina contra o Sars-CoV-2 aumentou, sem querer, eficácia do imunizante, mas é preciso averiguar os dados do laboratório

Na piauí_171

A capa e os destaques da edição de dezembro

O verde passou em branco

Ausência de Salles em anúncio sobre desmatamento revela exiguidade de planos, de recursos e de comprometimento

Onde Novo e Psol se encontram

Distantes na política, ultraliberais e socialistas têm algo em comum: votos que aumentam de acordo com a renda do eleitor

Os negócios da pandemia

Mais rápido que o Ministério da Saúde, o da Defesa já gastou quase 100% dos 531 milhões de reais que recebeu para o enfrentamento da Covid-19. Parte do dinheiro se destinou à compra de dezoito caminhonetes que ainda não foram entregues 

Mais textos
4

Sem polícia à vista, mulheres velam Marielle

A PM ficou longe dos protestos contra o assassinato da vereadora do PSOL no Rio; cortejo fúnebre foi liderado por cordão de mulheres negras

5

#charlottesville

Como minha cidade natal se tornou o foco da disputa política nos Estados Unidos

7

Memórias de um roqueiro parado no tempo

O impacto dos Rolling Stones num garoto brasileiro

8

Sarney é submetido a cirurgia para liberar indicação de parente obstruída

SÍRIO-LIBANÊS - Acometido de fortes dores de cabeça após tentativas frustradas de empregar um parente em uma diretoria estatal, José Sarney foi internado para tratamento intensivo. "Fizemos exames detalhados e identificamos uma obstrução gordurosa por parte de setores da oposição. Optamos por um procedimento cirúrgico em que inserimos uma CPI intravenosa para desentupir todas as vias", explicou o cardiologista político Paulo Kalil Maluf.

10

A memória da água

Abrir a torneira foi uma emoção inesquecível