vultos da Copa

Garrincha treinava, mas não ouvia o professor

Nilton Santos, Zezé e Aymoré Moreira recuperam as histórias do mais habilidoso – e o que menos se levava a sério – ponta-direita que o Brasil já viu

08jul2018_21h08
Zezé Moreira, em entrevista à série <i>Futebol</i>
Zezé Moreira, em entrevista à série Futebol /REPRODUÇÃO

De tantas faltas que procurou e outras tantas que recebeu sem procurar na Copa da Rússia, Neymar ganhou um novo sobrenome: “caçado”. Neymar Caçado Júnior. “Neymar foi muito caçado em campo”, dizem os comentaristas. Se fosse Garrincha, em vez de caça seria caçador. E a seleção brasileira, muito mais divertida.

Nilton Santos, lateral titular do Brasil em três copas, e os irmãos Zezé e Aymoré Moreira, técnicos nos mundiais de 54 e 62, relembram as caçadas do Mané.

Até o fim da Copa, a piauí vai publicar trechos – alguns deles inéditos – de depoimentos de jogadores das principais seleções brasileiras em Copas do Mundo, como as de 58, 62 e 70. É como se eles estivessem comentando a Copa da Rússia. As gravações foram feitas para a série Futebol, de João Moreira Salles e Arthur Fontes, exibida em maio de 1998 no canal GNT. A direção de fotografia é de Walter Carvalho.

Vídeos da série “Diz aí, mestre”:

– Tostão explica a diferença entre um gênio e um bom jogador;
– Joel, Didi e Bellini relatam a hora da arrancada para o primeiro título mundial do Brasil, em 58;
– Dadá Maravilha e Zizinho relembram as manhas para infernizar a vida dos oponentes numa Copa;
– Zico conta o que é perder um pênalti em jogo decisivo de Copa do Mundo, como o que ele errou em 86;
– Bellini, Zizinho, Telê Santana e Nilton Santos medem a pressão sobre o jogador do Brasil em um Mundial;
– Didi ensina a arte do meia-armador, aquele que Tite não tem;
– Flávio Costa, técnico da seleção de 50, e Telê Santana, de 82 e 86, explicam o papel do treinador dentro e fora de um Mundial;
– Nilton Santos, Tostão e Telê Santana investigam a relação de amor e ódio do brasileiro com a seleção;
– Barbosa lembra o quanto custa o erro de um goleiro numa Copa do Mundo;
– Nilton Santos e Zezé Moreira lembram da desolação de deixar uma Copa no meio do caminho – como para os times que já caíram na Rússia;
– Zizinho e Ademir da Guia falam da dor de deixar os gramados e das artimanhas do craque para adiar o fim da carreira;
– Bellini relata como recebeu a braçadeira de capitão em 58;
– Os craques Nilton Santos e Didi contam como driblavam o medo.

Ficha técnica da série “Diz aí, mestre”
Reportagem: Christian Carvalho Cruz
Edição e montagem: Camila Zarur
Edição de imagem: Paula Cardoso
Locução: Luigi Mazza
Imagens: Folhapress e Getty Images
Coordenação: José Roberto de Toledo e Vitor Hugo Brandalise
Agradecimentos: VideoFilmes, Museu do Futebol e Museu da Pelada



Leia também

Relacionadas Últimas

Outro 1 a 2 em Copa, 68 anos atrás

Zizinho, Barbosa, Nilton Santos e o técnico Flávio Costa reconstituem as horas seguintes ao Maracanaço, a tragédia do Mundial de 1950

O craque segundo Tostão

Uma das estrelas da Copa, o português Cristiano Ronaldo é um gênio ou um bom jogador? Tostão, titular da seleção do tri em 70, explica a diferença

Jogador malandro e sem cabeleireiro

Zizinho, eleito o melhor do Mundial de 50, e Dadá Maravilha, da seleção de 70, relembram as manhas para infernizar a vida dos zagueiros numa Copa, sem precisar de laquê

Do inferno ao céu, de chuteiras

Em vídeo da série "Diz aí, mestre", os campeões mundiais Nilton Santos e Tostão e o técnico do time de 82 e 86, Telê Santana, investigam o caso de amor e ódio do torcedor brasileiro com a sua seleção

Fora de campo, o protagonista

Dois dos maiores técnicos do Brasil, Flávio Costa, da seleção de 50, e Telê Santana, de 82 e 86, explicam o papel do “professor” dentro e fora de um Mundial

45 anos de pena por um palpite errado

Titular da seleção de 50, Barbosa lembra o quanto custa o erro de um goleiro numa Copa do Mundo; De Gea é candidato a descobrir

Didi ensina a arte do meia-armador, aquele que Tite não tem

Série “Diz aí, mestre” recupera entrevistas com os grandes da seleção brasileira

Os nossos astronautas

Os diretores de Futebol explicam por que escolheram o esporte como tema da série documental*

Na estrada da agonia

Sem UTIs suficientes contra Covid, cidades do interior sofrem para transferir pacientes para capitais - que também estão lotadas

A polícia não pode tudo

Decisão do STJ obriga policial a gravar em áudio e vídeo autorização do morador para entrar numa casa

Foro de Teresina #140: A variante Bolsonaro

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Na piauí_174

A capa e os destaques da edição de março

Luz no Fim da Quarentena: A melhor vacina

A vacina da Pfizer tem aprovação definitiva da Anvisa e os melhores resultados em campanhas de vacinação ao redor do mundo; o que falta para ser aplicada no Brasil?

Depois da festa, o pior da Covid

Rio Grande do Sul vive momento mais grave da pandemia, com mais jovens internados e a chegada da variante P.1; hospital aluga contêiner para corpos

Mais textos
1

Coração aos pedaços

As ruínas rascantes da voz de Tom Waits nos levam aos recantos mais escondidos da psique americana

4

O senhor do baixo clero

Quem é Alfredo Kaefer, do Partido Social Liberal, que se aproximou de um combalido Temer para se tornar a estrela dos nanicos

5

Investigação deflagrada por Cristo revela que São Pedro é evangélico

CÉU – Após dois dias de chuvas ininterruptas desde que o papa Francisco chegou à cidade do Rio de Janeiro, Jesus Cristo reuniu seu alto comando e, exigindo celeridade, ordenou à corte celeste que investigasse São Pedro. “Fomos a Deus Pai e pedimos autorização para instalar escutas em todos os ramais telefônicos de Simão Pedro”, informou são Tomás de Aquino, inspetor-chefe responsável pela investigação.

6

Papa Francisco reconsidera inferno após visita a convenção do MDB

“É preciso, em um mundo como vivemos hoje, ter a coragem de assumir erros. Eu errei, pois sou humano, e como humano reconsidero: o inferno existe.”

7

Povo? Que povo?

Voto ajuda, mas não é indispensável

10

piauí lança edição especial para a Flip 2018

Revista é distribuída gratuitamente durante a Festa Literária Internacional de Paraty