vultos da Copa

Outro 1 a 2 em Copa, 68 anos atrás

Zizinho, Barbosa, Nilton Santos e o técnico Flávio Costa reconstituem as horas seguintes ao Maracanaço, a tragédia do Mundial de 1950

06jul2018_20h00
Flavio Costa em entrevista à série Futebol
Flavio Costa em entrevista à série Futebol /REPRODUÇÃO

A Copa da Rússia acabou para o Brasil. Triste. Mas não haverá tristeza maior do que o Maracanaço, a derrota em casa para o Uruguai na Copa de 50. Nem mesmo o 7 a 1. Como escreveu Nelson Rodrigues, a final de 50 foi a nossa Hiroshima: “Uma humilhação jamais cicatrizada, que ainda pinga sangue”.

O lateral Nilton Santos, que não jogou a decisão, o goleiro Barbosa e o meia Zizinho, titulares no time de 50, relembram o que viram nas ruas do Rio de Janeiro naquele 16 de julho. “Estava até conformado, até sair do estádio e encontrar minha esposa e as esposas de outros jogadores, em prantos, em lágrimas. Aquilo chocou mais do que o próprio jogo”, contou Barbosa, em entrevista gravada originalmente para a série Futebol, entre 1996 e 1998.

E Flávio Costa, técnico do time, fala dos fantasmas que o assombraram por muito tempo depois da derrota.

 

Até o fim da Copa, a piauí vai publicar trechos – alguns deles inéditos – de depoimentos de jogadores das principais seleções brasileiras em Copas do Mundo, como as de 58, 62 e 70. É como se eles estivessem comentando a Copa da Rússia. As gravações foram feitas para a série Futebol, de João Moreira Salles e Arthur Fontes, exibida em maio de 1998 no canal GNT. A direção de fotografia é de Walter Carvalho.



Vídeos da série “Diz aí, mestre”:

– Dadá Maravilha e Zizinho relembram as manhas para infernizar a vida dos oponentes numa Copa;
– Zico conta o que é perder um pênalti em jogo decisivo de Copa do Mundo, como o que ele errou em 86;
– Bellini, Zizinho, Telê Santana e Nilton Santos medem a pressão sobre o jogador do Brasil em um Mundial;
– Didi ensina a arte do meia-armador, aquele que Tite não tem;
– Flávio Costa, técnico da seleção de 50, e Telê Santana, de 82 e 86, explicam o papel do treinador dentro e fora de um Mundial;
– Nilton Santos, Tostão e Telê Santana investigam a relação de amor e ódio do brasileiro com a seleção;
– Barbosa lembra o quanto custa o erro de um goleiro numa Copa do Mundo;
– Nilton Santos e Zezé Moreira lembram da desolação de deixar uma Copa no meio do caminho – como para os times que já caíram na Rússia;
– Zizinho e Ademir da Guia falam da dor de deixar os gramados e das artimanhas do craque para adiar o fim da carreira;
– Bellini relata como recebeu a braçadeira de capitão em 58;
– Os craques Nilton Santos e Didi contam como driblavam o medo.

Ficha técnica da série “Diz aí, mestre”
Reportagem: Christian Carvalho Cruz
Edição e montagem: Camila Zarur
Edição de imagem: Paula Cardoso
Locução: Luigi Mazza
Imagens: Folhapress, CBF, Fifa e Getty Images
Coordenação: José Roberto de Toledo e Vitor Hugo Brandalise
Agradecimentos: VideoFilmes, Museu do Futebol e Museu da Pelada

Leia também

Últimas Mais Lidas

Gatinhos que rugem e outros bichos

Na política e nos negócios, manada digital manipula incautos

Desespero e solidariedade em Manaus

Rapaz que perdeu três parentes para a Covid relata os dias em que lutou para que sua mãe pudesse ter oxigênio 

2020 – Deletar ou nunca esquecer?

Esquecimento apaga a avaliação de erros e responsabilidades; urgente é construir memorial em homenagem às vítimas

Desemprego e incerteza na vida após a Ford

Em Camaçari, na Bahia, fechamento da fábrica de carros impacta todo o mercado de trabalho – de motoristas de ônibus até babás

Bananofobia

Por que os Estados Unidos têm tanto medo de virar uma república de bananas?

Monitoramento à beira da explosão

Falhas nas tornozeleiras eletrônicas colocam em xeque o rastreamento de presos no Paraná

Mais textos
1

Natasha

Presente raro: a experiência metafísica e visionária de uma donzela russa, num conto que permaneceu guardado na Biblioteca do Congresso americano até o início deste ano, 31 anos após a morte do autor

2

Pontes e perdas – carta do leitor

O engenheiro civil Ubirajara Ferreira da Silva, “autor do projeto básico da ponte Forte-Redinha”, em Natal, escreve dizendo-se surpreso com os comentários feitos no post publicado semana passada. Transcrevo a seguir a carta recebida, na qual o missivista explica as razões técnicas que levaram a ponte a ser construída na foz do rio Potenji, e reconhece a ocorrência indicada de “retenções de trânsito que afligem a população, sobretudo nas horas de pico”:

3

Planos de candidatos para alfabetizar adultos são vagos

País não cumpre meta acertada com a Unesco e analfabetos são 11,5 milhões – e 4,4% dos 147 milhões de eleitores

4

“Snowden foi um herói de nosso tempo”

A pedido de piauí, o historiador Perry Anderson – autor do artigo A pátria americana, publicado nesta edição de outubro – enviou os seguintes comentários a respeito das recentes revelações sobre a espionagem cibernética dos Estados Unidos.

“O fato de nenhum país ocidental ter ousado dar asilo a Snowden diz muito sobre a realidade da Pax Americana”

5

Sinfonia para os sem-orquestra

Uma Heróica sob medida para instrumentistas espalhados pelo mundo inteiro

9

Lula se oferece para suceder Mandela

COSTA DO SAUÍPE – Profundamente abatido com o falecimento de Nelson Mandela, Lula convocou a imprensa para anunciar que está preparado para preencher a lacuna deixada pelo líder sul-africano. "O companheiro Mandela fez muita coisa boa, disso ninguém duvida. Não lhe coube, contudo, vencer a inflação, estabilizar a economia, transpor as águas do São Francisco, criar o Bolsa Família, lutar contra a pobreza, tourear a mídia burguesa, estabelecer cotas nas universidades, descobrir o Pré-Sal e difundir o Luz Para Todos”, disse. “Diante disto, ponho-me à disposição da Humanidade para sucedê-lo", concluiu, já posando para a estátua.

10

Ricardo Aronovich & Eduardo Coutinho

A foto de Eduardo Coutinho publicada na piauí 82, deste mês, foi feita por Ricardo Aronovich, o que explica a qualidade excepcional do registro.

Não tendo sido possível identificar a autoria a tempo, porém, a revista saiu sem o devido crédito, e só hoje, graças à suspeita levantada pelo próprio Coutinho ao ver a foto impressa, chegou a confirmação por e-mail do Aronovich de que a foto é mesmo dele.