Na revista

piauí_178

Julho_2021

A descoberta, de Vito Quintans
ou
Ver Todas

vultos da República

Estou no páreo

O governador gaúcho está confiante de que pode ir do Pampa ao Planalto

Consuelo Dieguez

questões políticas

A destruição

Bolsonaro, a palavra podre e a desfiguração da democracia

Renato Lessa

questões vultosas

Quando será o golpe?

Na toada atual, falta definir a data. Só a data

André Petry

questões sul-americanas

O impasse colombiano

Protestos desafiam o governo e as classes dirigentes a transformar o país

María Teresa Ronderos

vultos vaticanos

O padre que morde

A vida, a obra e as marretadas de Júlio Lancellotti

Angélica Santa Cruz

correspondência

Estaremos juntas nessa guerra

Uma carta para a mãe de Kathlen Romeu, morta durante disparos da polícia no Rio

Elza Soares

pedagogia do autoritarismo

No pior clube

Como o Brasil se aproxima da liga das democracias que se deterioram

João Gabriel de Lima

anais do comunismo

Uma história acabada

O meu dossiê nos arquivos da polícia secreta da Alemanha Oriental

Claudia Cavalcanti

máximas & mínimas

País estropiado

Aforismos da deformação brasileira

Tiago Ferro

despedida

Gigante apequenado

O ocaso do Edifício A Noite, joia cultural do Rio de Janeiro

Sergio Augusto

esquina

Paraíso privado

No litoral de Paraty, um refúgio dos poderosos na pandemia

Ana Clara Costa

Mordomo das arábias

Um brasileiro a serviço das extravagâncias reais

João Batista Jr.

Sorriso corrompido

Cidade no interior paulista espalha homenagens ao empresário J. Hawilla

Allan de Abreu

Aterrando a história

Uma reserva ambiental e três sítios arqueológicos em risco

Camille Lichotti

O’Minas Gerais

Maior produtor de cachaça do país, o estado avança na indústria do gim

Carlos Adriano

De grão em grão

Os perrengues de um restaurante vegano na pandemia

Amanda Gorziza

Aniversérie

No seu primeiro ano de vida, Augusto ganha temporada de doze festas

Marcos Amorozo

questões astronômicas

O perigo do lixo espacial

Há milhões de artefatos humanos orbitando a Terra. Serão recolhidos antes de uma catástrofe?

Raffi Khatchadourian

testemunhos catsaridafóbicos

De pernas pro ar

Meu pavor de baratas e o controle de pragas urbanas

Adriano Apocalypse Cirino

piauí herald

Quartel imobiliário

O jogo de tabuleiro mais rentável do Brasil

Olegário Ribamar

poesia

Leia os velhos poetas, meu filho

Roberto Bolaño

cartuns

Cartuns de Caco Galhardo e Renato Terra

Caco Galhardo e Renato Terra

colaboradores

Vito Quintans [Capa] é artista plástico e assina a direção de arte do jogo virtual Lampião Verde – A Maldição da Botija.

 

André Petry [Quando será o golpe?, p. 8] é diretor de redação da piauí. Na Veja, foi chefe da sucursal de Brasília, correspondente em Nova York e diretor de redação.

 

Consuelo Dieguez [Estou no páreo, p. 16], repórter da piauí, é autora da coletânea de perfis Bilhões e Lágrimas (Companhia das Letras). Fotografia de Fabio Bartelt.

 

Caco Galhardo [Cartuns a partir da p. 18], cartunista e roteirista, lançou a coletânea Cinco Mil Anos: E (Quase) Todas as Tiras (Companhia das Letras). Renato Terra é roteirista de Conversa com Bial, colunista da Folha de S.Paulo e diretor dos documentários Narciso em FériasUma Noite em 67.

 

Renato Lessa [A destruição, p. 24], professor-associado de filosofia política da PUC-Rio, é pesquisador do CNPq e investigador associado do Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa. Publicou O Cético e o Rabino (LeYa).

 

João Gabriel de Lima [No pior clube, p. 30], colunista de O Estado de S. Paulo, é professor do Insper e da Faap e autor de O Burlador de Sevilha (Companhia das Letras). Ilustração de Kleber Sales.

 

Olegário Ribamar [Quartel Imobiliário, p. 36] é fabricante do jogo de tabuleiro mais rentável do Brasil. Seus ghost-writers são Roberto Kaz e Afonso Cappellaro, redatores do The piauí Herald. Ilustração de Caio Borges.

 

María Teresa Ronderos [O impasse colombiano, p. 38] é jornalista colombiana, diretora do Centro Latinoamericano de Investigación Periodística (Clip) e professora da Fundación Gabo. Publicou Guerras Recicladas (Aguilar). Tradução de Sérgio Molina e Rubia Goldoni.

 

Angélica Santa Cruz [O padre que morde, p. 42], jornalista, foi editora-executiva da revista Época e do Diário de São Paulo. Fotografia de Egberto Nogueira.

 

Tiago Ferro [País estropiado, p. 50], editor da e-galáxia e da revista Peixe-elétrico, é crítico literário e autor do romance O Pai da Menina Morta (Todavia). Ilustrações de Pedro Franz.

 

Elza Soares [Estaremos juntas nessa guerra, p. 53] é cantora e compositora.

 

Adriano Apocalypse Cirino [De pernas pro ar, p. 54], jornalista e escritor, é autor do livro reportagem Nos Bastidores de Escobar & Outras Crônicas Bogotanas (Crivo Editorial).

 

Claudia Cavalcanti [Uma história acabada, p. 58] é germanista, editora e tradutora. Traduziu e organizou, entre outros, Cristal, de Paul Celan (Iluminuras), e O Tempo Adiado, de Ingeborg Bachmann (Todavia). O texto é a versão reduzida e adaptada de um capítulo do livro A Vida dos Outros e a Minha, que a editora Cultura e Barbárie lança neste mês.

 

Raffi Khatchadourian [O perigo do lixo espacial, p. 64] é repórter da revista The New Yorker, na qual a reportagem foi publicada originalmente. Tradução de Sergio Flaksman. Ilustração de Vito Quintans.

 

Roberto Bolaño (1953- 2003) [Poesia, p. 74], escritor e poeta chileno. Os poemas fazem parte do livro A Universidade Desconhecida, que está sendo lançado neste mês pela Companhia das Letras. Tradução de Josely Vianna Baptista. Ilustração de Gonzalo Cárcamo.

 

Sergio Augusto [Gigante apequenado, p. 78], jornalista carioca que integrou O Pasquim, é colunista de O Estado de S. Paulo. Publicou, entre outros, Este Mundo é um Pandeiro (Companhia das Letras).

 

Ilustrações de Esquina por Andrés Sandoval.