vultos da Copa

Série da piauí traz vídeos inéditos de craques das Copas

Em “Diz aí, mestre”, jogadores como Nilton Santos, Didi, Vavá e Bellini recuperam histórias de seus mundiais para iluminar a Copa de 2018

14jun2018_20h19
Bellini, capitão do Brasil na Copa de 58, em entrevista à série <i>Futebol</i>
Bellini, capitão do Brasil na Copa de 58, em entrevista à série Futebol / REPRODUÇÃO

Este é o primeiro vídeo da série “Diz aí, mestre”, que traz trechos inéditos de depoimentos de jogadores das principais seleções brasileiras em Copas do Mundo, como as de 58, 62 e 70. As gravações foram feitas para a série documental Futebol, de João Moreira Salles e Arthur Fontes, exibida em maio de 1998 no canal GNT. A direção de fotografia é de Walter Carvalho.

A partir desta quinta-feira e até o final da Copa, a piauí vai publicar os relatos dos jogadores, em que recuperam histórias que podem ajudar a iluminar o Mundial de 2018. Nilton Santos, Bellini, Didi, Zizinho, Domingos da Guia, entre outros craques, a maioria já mortos, aparecerão nos vídeos – produzidos com os trechos inéditos e outros que estão no documentário.

No primeiro vídeo de “Diz aí, mestre”, o capitão da seleção de 58, Hilderaldo Bellini, conta como recebeu a braçadeira do treinador Vicente Feola. A escolha por Bellini contrasta com a opção de Tite, que prefere um rodízio de jogadores e até aqui não nomeou um capitão fixo para o seu time.

A série Futebol começou a ser gravada em janeiro de 1996. Durante dois anos e quatro meses foram feitas 202 entrevistas, com 25 jogadores, treinadores que fizeram história e personagens anônimos do futebol. Filmada em película de 16 milímetros, a série retrata em três episódios as trajetórias de futebolistas, das peneiras antes da profissionalização aos momentos de glória, das alegrias no esporte até o fim, por vezes melancólico, da carreira de um jogador. O cenário preferencial das filmagens foram campos de futebol – 25, no total.

Logo após o lançamento, o botafoguense João Moreira Salles e o tricolor fluminense Arthur Fontes escreveram sobre por que decidiram produzir a série. “Esses jogadores eram, e serão sempre, os nossos heróis. Ou, se vocês quiserem, os nossos astronautas. (…) Se lá na América eles chegaram na Lua, por aqui os nossos foram à Suécia, ao Chile, ao México, ao Maracanã, ao Pacaembu, ao Olímpico, ao Mineirão – e voltaram vencedores. E para quem acha a comparação piegas, a gente se desculpa mas mantém: são astronautas. Pelé é astronauta, Telê é astronauta, Flávio Costa, Tostão, Joel, Dadá, Afonsinho, Aymoré e Zezé Moreira, todos eles são astronautas. Ou alguém imagina que para um garoto nascido e criado em, digamos, Pau Grande, sem escola e com pouca comida, Estocolmo é menos distante e esquisita do que a Lua para um cientista da Nasa?”

Das filmagens feitas entre 1996 e 1998, o jornalista Roberto Benevides, que integrou a equipe de Futebol, guarda a admiração dos jogadores com a criatividade do futebol brasileiro e a frustração generalizada com os dirigentes. “Nilton Santos resumiu bem: ‘O jogador  brasileiro sempre foi bom em todas as épocas. Nosso inimigo sempre foi a desorganização. Todas as vezes que organizou, o Brasil ganhou’”, relembrou Benevides.

Vídeos da série “Diz aí, mestre”:

– Tostão explica a diferença entre um gênio e um bom jogador;
– Barbosa lembra o quanto custa o erro de um goleiro numa Copa do Mundo;
– Dadá Maravilha e Zizinho relembram as manhas para infernizar a vida dos oponentes numa Copa;
– Bellini, Zizinho, Telê Santana e Nilton Santos medem a pressão sobre o jogador do Brasil em um Mundial;
– Didi ensina a arte do meia-armador, aquele que Tite não tem;
– Nilton Santos, Tostão e Telê Santana investigam a relação de amor e ódio do brasileiro com a seleção;
– Joel, Didi e Bellini relatam a hora da arrancada para o primeiro título mundial do Brasil, em 58;
– Nilton Santos e Zezé Moreira lembram da desolação de deixar uma Copa no meio do caminho – como para os times que já caíram na Rússia;
– Zizinho e Ademir da Guia falam da dor de deixar os gramados e das artimanhas do craque para adiar o fim da carreira;
– Flávio Costa, técnico da seleção de 50, e Telê Santana, de 82 e 86, explicam o papel do treinador dentro e fora de um Mundial;
– O bicampeões mundiais Nilton Santos e Didi contam como driblavam o medo em um jogo de Copa.

Ficha técnica da série “Diz aí, mestre”
Reportagem: Christian Carvalho Cruz
Edição e montagem: Camila Zarur
Locução: Luigi Mazza
Imagens: Folhapress e Getty Images
Coordenação: José Roberto de Toledo e Vitor Hugo Brandalise
Agradecimentos: VideoFilmes, Museu do Futebol e Museu da Pelada

Leia também

Relacionadas Últimas

Didi ensina a arte do meia-armador, aquele que Tite não tem

Série “Diz aí, mestre” recupera entrevistas com os grandes da seleção brasileira

Nilton Santos e Didi contam como driblavam o medo antes da estreia

Até o fim da Copa, a série “Diz aí, mestre” recupera histórias de jogadores das principais seleções brasileiras em mundiais

45 anos de pena por um palpite errado

Titular da seleção de 50, Barbosa lembra o quanto custa o erro de um goleiro numa Copa do Mundo; De Gea é candidato a descobrir

Os nossos astronautas

Os diretores de Futebol explicam por que escolheram o esporte como tema da série documental*

Do inferno ao céu, de chuteiras

Em vídeo da série "Diz aí, mestre", os campeões mundiais Nilton Santos e Tostão e o técnico do time de 82 e 86, Telê Santana, investigam o caso de amor e ódio do torcedor brasileiro com a sua seleção

Uma finta na idade

Zizinho e Ademir da Guia falam da dor de deixar os gramados e das artimanhas do craque para adiar o fim da carreira

Um hospital de referência onde falta de tudo

Médico residente no Hospital São Paulo relata como, diante do sucessivo corte de verbas federais, profissionais trabalham sem agulha nem medicamentos

O berço dos ‘nobres guerreiros de alma leve’

Como funciona o projeto social em Salvador de onde saíram Hebert Conceição, finalista olímpico no boxe, e outros campeões

Terceira dose, eis a questão

Especialistas discutem riscos de usar aplicação extra de vacina contra a Covid antes de garantir imunização completa para toda a população

A linha cruzada de Max

Como um empurrão de Flávio Bolsonaro ajudou a minúscula telecom do dono da Precisa Medicamentos – e por que a Xis está no jogo bilionário do 5G

Cinemateca Brasileira em chamas – II

Foi preciso um fogaréu para comover quem ignorou o abandono da instituição

Garras olímpicas

Mais presentes nos pódios brasileiros do que em edições passadas, unhas decoradas também são parte da história dos jogos

Mais textos