vultos da Copa

Da várzea à taça, os astronautas da bola

Em série de vídeos da piauí, grandes jogadores recuperam histórias de seus mundiais e iluminam a maior paixão coletiva do Brasil

17jul2018_14h07

Os técnicos Zezé e Aymoré Moreira fugiam do pai para poder jogar em um campo perto de casa. Didi desobedecia a mãe para continuar as peladas com bolas de meia. Ademir da Guia viu o começo da carreira se formar entre o estádio do Bangu e o Maracanã. E Barbosa, goleiro da fatídica final de 50, resume os frutos que o futebol lhe rendeu. Esses e outros relatos encerram a série “Diz aí, mestre“, em que os jogadores contam histórias da maior paixão nos gramados, a maior mania coletiva dos brasileiros. 

A série “Diz aí, mestre”, que ficará disponível no site da piauí, traz vídeos com trechos inéditos de depoimentos de grandes jogadores de seleções históricas do Brasil, como as de 58, 62 e 70. As gravações foram feitas originalmente para a série documental Futebol, de João Moreira Salles e Arthur Fontes, exibida em maio de 1998 no canal GNT. A direção de fotografia é de Walter Carvalho.

Nos vídeos, Didi, Zizinho, Barbosa, Nilton Santos, Bellini, Zezé e Aymoré Moreira, Flávio Costa, Telê Santana, entre outros mestres, abordam os principais aspectos do esporte – falam na dor da queda em uma Copa do Mundo, da diferença entre um gênio e um bom jogador, da relação de amor e ódio do brasileiro com a seleção. São falas de atletas de um outro tempo, que, muitas vezes, dão saudade.

A piauí dedica a série ao jornalista e pesquisador Alexandre Gontijo, morto no último dia 14 de julho.

Vídeos da série “Diz aí, mestre”:

– Dadá Maravilha relembra o seu começo, no futebol, do primeiro chute só aos 19 anos ao técnico que percebeu nele um goleador;

– Zizinho, Barbosa, Nilton Santos e o técnico Flávio Costa reconstituem as horas seguintes ao Maracanaço, a tragédia do Mundial de 50;

– As histórias de Garrincha, o ponta-direita mais habilidoso – e despreocupado – da história da seleção brasileira;

– Tostão explica a diferença entre um gênio e um bom jogador;

– Joel, Didi e Bellini relatam a hora da arrancada para o primeiro título mundial do Brasil, em 58;

– Dadá Maravilha e Zizinho relembram as manhas para infernizar a vida dos oponentes numa Copa;

– Zico conta o que é perder um pênalti em jogo decisivo de Copa do Mundo, como o que ele errou em 86;

– Bellini, Zizinho, Telê Santana e Nilton Santos medem a pressão sobre o jogador do Brasil em um Mundial;

– Didi ensina a arte do meia-armador, aquele que Tite não tem;

– Flávio Costa, técnico da seleção de 50, e Telê Santana, de 82 e 86, explicam o papel do treinador dentro e fora de um Mundial;

– Nilton Santos, Tostão e Telê Santana investigam a relação de amor e ódio do brasileiro com a seleção;

– Barbosa lembra o quanto custa o erro de um goleiro numa Copa do Mundo;

– Nilton Santos e Zezé Moreira lembram da desolação de deixar uma Copa no meio do caminho – como para os times que já caíram na Rússia;

– Zizinho e Ademir da Guia falam da dor de deixar os gramados e das artimanhas do craque para adiar o fim da carreira;

– Bellini relata como recebeu a braçadeira de capitão em 58;

– Os craques Nilton Santos e Didi contam como driblavam o medo.

 

Ficha técnica da série “Diz aí, mestre”

Reportagem: Christian Carvalho Cruz

Edição e montagem: Camila Zarur

Edição de imagem: Paula Cardoso

Locução: Luigi Mazza

Imagens: Folhapress e Getty Images

Coordenação: José Roberto de Toledo e Vitor Hugo Brandalise

Agradecimentos: VideoFilmes, Museu do Futebol e Museu da Pelada



Leia também

Últimas Mais Lidas

Na estrada da agonia

Sem UTIs suficientes contra Covid, cidades do interior sofrem para transferir pacientes para capitais - que também estão lotadas

A polícia não pode tudo

Decisão do STJ obriga policial a gravar em áudio e vídeo autorização do morador para entrar numa casa

Foro de Teresina #140: A variante Bolsonaro

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Na piauí_174

A capa e os destaques da edição de março

Luz no Fim da Quarentena: A melhor vacina

A vacina da Pfizer tem aprovação definitiva da Anvisa e os melhores resultados em campanhas de vacinação ao redor do mundo; o que falta para ser aplicada no Brasil?

Depois da festa, o pior da Covid

Rio Grande do Sul vive momento mais grave da pandemia, com mais jovens internados e a chegada da variante P.1; hospital aluga contêiner para corpos

Mais textos
1

Bloqueio – caminhoneiros em greve

Incertezas retratadas no documentário são referência para entender as mudanças políticas no país

3

Greve de PMs no Rio faz violência despencar 40%

UPP - Com um efetivo menor de policiais militares nas ruas do Rio de Janeiro, os índices de criminalidade despencaram. Foram registradas quedas expressivas de interceptação truculenta de meliante sem camisa (65%), tapas na cara de playboy da Zona Sul (44%) e sacode em camelô (39%). Padarias e bares comemoraram a brusca diminuição do número de viaturas exigindo arrego. O comércio paralelo de cafezinhos caiu 87%. "A greve da PM é um passo importantíssimo para o processo de pacificação da cidade", explicou José Mariano Beltrame.

4

Duelo na selva

Os ingleses se preparam para ir a Manaus

5

STF afasta Nacional-URU e Corinthians volta à Libertadores

ARENA BRASÍLIA - Após suspender o mandato do deputado Eduardo Cunha, o plenário do STF iniciou o julgamento de novos casos.

6

Ciro queima pontes com o Exército

Cúpula militar reage à declaração do candidato de que general Villas Bôas “pegaria uma cana” por falar de política; de “bom quadro”, pedetista vira “insensato”

7

Em protesto contra Feliciano, Lula divulga foto beijando o espelho

ID - Ávido por se reconciliar com sua porção militante, enrustida desde que assumiu o poder em 2003, o ex-presidente em exercício Luiz Inácio da Silva postou no instagram uma foto contra o pastor Marco Feliciano. "Nunca antes na história deste país um presidente emérito havia beijado um trabalhador nordestino de origem pobre na boca", escreveu. Em seguida, associou o beijo na boca ao sucesso de seu governo e disse que ele é o pai do smak!

9

Seymour Hersh e o massacre de My Lai

Em 1969, a Guerra do Vietnã se arrastava por 14 anos e ainda contava com o apoio da maioria dos americanos. Naquele ano, o jornalista Seymour Hersh recebeu de uma fonte sigilosa a informação de que um oficial do exército americano seria julgado como responsável pelo massacre de civis em uma aldeia no Vietnã.

10

O candidato enjaulado

Há três décadas, um macaco disputou eleições em um Brasil conflagrado – poderia ser hoje