vultos da Copa

Da várzea à taça, os astronautas da bola

Em série de vídeos da piauí, grandes jogadores recuperam histórias de seus mundiais e iluminam a maior paixão coletiva do Brasil

17jul2018_14h07

Os técnicos Zezé e Aymoré Moreira fugiam do pai para poder jogar em um campo perto de casa. Didi desobedecia a mãe para continuar as peladas com bolas de meia. Ademir da Guia viu o começo da carreira se formar entre o estádio do Bangu e o Maracanã. E Barbosa, goleiro da fatídica final de 50, resume os frutos que o futebol lhe rendeu. Esses e outros relatos encerram a série “Diz aí, mestre“, em que os jogadores contam histórias da maior paixão nos gramados, a maior mania coletiva dos brasileiros. 

A série “Diz aí, mestre”, que ficará disponível no site da piauí, traz vídeos com trechos inéditos de depoimentos de grandes jogadores de seleções históricas do Brasil, como as de 58, 62 e 70. As gravações foram feitas originalmente para a série documental Futebol, de João Moreira Salles e Arthur Fontes, exibida em maio de 1998 no canal GNT. A direção de fotografia é de Walter Carvalho.

Nos vídeos, Didi, Zizinho, Barbosa, Nilton Santos, Bellini, Zezé e Aymoré Moreira, Flávio Costa, Telê Santana, entre outros mestres, abordam os principais aspectos do esporte – falam na dor da queda em uma Copa do Mundo, da diferença entre um gênio e um bom jogador, da relação de amor e ódio do brasileiro com a seleção. São falas de atletas de um outro tempo, que, muitas vezes, dão saudade.

A piauí dedica a série ao jornalista e pesquisador Alexandre Gontijo, morto no último dia 14 de julho.

Vídeos da série “Diz aí, mestre”:

– Dadá Maravilha relembra o seu começo, no futebol, do primeiro chute só aos 19 anos ao técnico que percebeu nele um goleador;

– Zizinho, Barbosa, Nilton Santos e o técnico Flávio Costa reconstituem as horas seguintes ao Maracanaço, a tragédia do Mundial de 50;

– As histórias de Garrincha, o ponta-direita mais habilidoso – e despreocupado – da história da seleção brasileira;

– Tostão explica a diferença entre um gênio e um bom jogador;

– Joel, Didi e Bellini relatam a hora da arrancada para o primeiro título mundial do Brasil, em 58;

– Dadá Maravilha e Zizinho relembram as manhas para infernizar a vida dos oponentes numa Copa;

– Zico conta o que é perder um pênalti em jogo decisivo de Copa do Mundo, como o que ele errou em 86;

– Bellini, Zizinho, Telê Santana e Nilton Santos medem a pressão sobre o jogador do Brasil em um Mundial;

– Didi ensina a arte do meia-armador, aquele que Tite não tem;

– Flávio Costa, técnico da seleção de 50, e Telê Santana, de 82 e 86, explicam o papel do treinador dentro e fora de um Mundial;

– Nilton Santos, Tostão e Telê Santana investigam a relação de amor e ódio do brasileiro com a seleção;

– Barbosa lembra o quanto custa o erro de um goleiro numa Copa do Mundo;

– Nilton Santos e Zezé Moreira lembram da desolação de deixar uma Copa no meio do caminho – como para os times que já caíram na Rússia;

– Zizinho e Ademir da Guia falam da dor de deixar os gramados e das artimanhas do craque para adiar o fim da carreira;

– Bellini relata como recebeu a braçadeira de capitão em 58;

– Os craques Nilton Santos e Didi contam como driblavam o medo.

 

Ficha técnica da série “Diz aí, mestre”

Reportagem: Christian Carvalho Cruz

Edição e montagem: Camila Zarur

Edição de imagem: Paula Cardoso

Locução: Luigi Mazza

Imagens: Folhapress e Getty Images

Coordenação: José Roberto de Toledo e Vitor Hugo Brandalise

Agradecimentos: VideoFilmes, Museu do Futebol e Museu da Pelada

Leia também

Últimas Mais Lidas

Os mascates do Rio

A periferia sem crédito mantém a tradição do vendedor de porta em porta

EUA devolvem fortuna à família Hawilla

Com a morte do delator do escândalo Fifa, Justiça restitui à viúva e aos filhos patrimônio de R$ 59 milhões em dinheiro e apartamento em condomínio em ilha de Miami

Merval e a democracinha*

A polarização política, os cidadãos de bem e os inimigos da vida civilizada no país

O Paciente e O Banquete – frutos da tragédia

Vistos em conjunto, os dois filmes tornam-se reflexo do cenário político atual

Ciro, a vela e o dane-se

Só ele impede segundo turno antecipado entre Bolsonaro e Haddad

Marcos Lisboa: “Me comparar a Paulo Guedes é demais”

Cotado como ministro da Fazenda em um governo do PT, economista responde a Ciro Gomes, que o chamou de “ultrarreacionário”

A janela de Haddad

A vulnerabilidade de Bolsonaro e a chance do candidato do PT

Sem a elite, sem (quase) nada

Em doze anos, Alckmin sai de 45% para 6% das intenções de voto no eleitorado que cursou universidade; eleitores migram principalmente para Bolsonaro

Lacrou: não entra mais nome novo na urna

Se um candidato morrer ou desistir, sua cara e seu número continuarão aparecendo na tela; TSE fechou os registros e diz que não muda mais

A nossa hora mais escura

O legado de trinta anos de democracia está em jogo nesta eleição

Mais textos
1

Bolsonaro não queria sair da Santa Casa

A história de como a família do presidenciável dispensou o Sírio-Libanês, contrariou a vontade do candidato de ficar em Juiz de Fora e aceitou a proposta do tesoureiro do PSL de levá-lo para o Einstein

2

Paulo Guedes contra o liberalismo

A história mostra que uma onda de ódio só chega ao poder quando normalizada

3

Aluguel do PSL custa R$ 1,8 milhão à campanha de Bolsonaro

Ex-presidente do partido, Luciano Bivar recebeu sozinho, até agora, 28% dos gastos da cúpula nacional da sigla que cedeu ao ex-capitão

4

Antipetismo e democracia

O candidato do PT e o candidato do PSL não são dois lados da mesma moeda

5

SUS salva Bolsonaro por R$ 367,06

Pago pelo sistema público brasileiro, cirurgião de veias e artérias de Juiz de Fora é tirado de almoço de família para achar e conter hemorragia no candidato

6

O fiador

A trajetória e as polêmicas do economista Paulo Guedes, o ultraliberal que se casou por conveniência com Jair Bolsonaro

7

A janela de Haddad

A vulnerabilidade de Bolsonaro e a chance do candidato do PT

8

O mínimo e o justo

Menos Estado gera mais justiça social?

9

Sem a elite, sem (quase) nada

Em doze anos, Alckmin sai de 45% para 6% das intenções de voto no eleitorado que cursou universidade; eleitores migram principalmente para Bolsonaro

10

Por que mulheres trocaram Marina por Haddad, Ciro e Bolsonaro

De líder no voto feminino, candidata despencou para o quarto lugar; seu discurso é “sincero”, mas falta clareza, dizem ex-eleitoras