vultos da Copa

Da várzea à taça, os astronautas da bola

Em série de vídeos da piauí, grandes jogadores recuperam histórias de seus mundiais e iluminam a maior paixão coletiva do Brasil

17jul2018_14h07

Os técnicos Zezé e Aymoré Moreira fugiam do pai para poder jogar em um campo perto de casa. Didi desobedecia a mãe para continuar as peladas com bolas de meia. Ademir da Guia viu o começo da carreira se formar entre o estádio do Bangu e o Maracanã. E Barbosa, goleiro da fatídica final de 50, resume os frutos que o futebol lhe rendeu. Esses e outros relatos encerram a série “Diz aí, mestre“, em que os jogadores contam histórias da maior paixão nos gramados, a maior mania coletiva dos brasileiros. 

A série “Diz aí, mestre”, que ficará disponível no site da piauí, traz vídeos com trechos inéditos de depoimentos de grandes jogadores de seleções históricas do Brasil, como as de 58, 62 e 70. As gravações foram feitas originalmente para a série documental Futebol, de João Moreira Salles e Arthur Fontes, exibida em maio de 1998 no canal GNT. A direção de fotografia é de Walter Carvalho.

Nos vídeos, Didi, Zizinho, Barbosa, Nilton Santos, Bellini, Zezé e Aymoré Moreira, Flávio Costa, Telê Santana, entre outros mestres, abordam os principais aspectos do esporte – falam na dor da queda em uma Copa do Mundo, da diferença entre um gênio e um bom jogador, da relação de amor e ódio do brasileiro com a seleção. São falas de atletas de um outro tempo, que, muitas vezes, dão saudade.

A piauí dedica a série ao jornalista e pesquisador Alexandre Gontijo, morto no último dia 14 de julho.

Vídeos da série “Diz aí, mestre”:

– Dadá Maravilha relembra o seu começo, no futebol, do primeiro chute só aos 19 anos ao técnico que percebeu nele um goleador;

– Zizinho, Barbosa, Nilton Santos e o técnico Flávio Costa reconstituem as horas seguintes ao Maracanaço, a tragédia do Mundial de 50;

– As histórias de Garrincha, o ponta-direita mais habilidoso – e despreocupado – da história da seleção brasileira;

– Tostão explica a diferença entre um gênio e um bom jogador;

– Joel, Didi e Bellini relatam a hora da arrancada para o primeiro título mundial do Brasil, em 58;

– Dadá Maravilha e Zizinho relembram as manhas para infernizar a vida dos oponentes numa Copa;

– Zico conta o que é perder um pênalti em jogo decisivo de Copa do Mundo, como o que ele errou em 86;

– Bellini, Zizinho, Telê Santana e Nilton Santos medem a pressão sobre o jogador do Brasil em um Mundial;

– Didi ensina a arte do meia-armador, aquele que Tite não tem;

– Flávio Costa, técnico da seleção de 50, e Telê Santana, de 82 e 86, explicam o papel do treinador dentro e fora de um Mundial;

– Nilton Santos, Tostão e Telê Santana investigam a relação de amor e ódio do brasileiro com a seleção;

– Barbosa lembra o quanto custa o erro de um goleiro numa Copa do Mundo;

– Nilton Santos e Zezé Moreira lembram da desolação de deixar uma Copa no meio do caminho – como para os times que já caíram na Rússia;

– Zizinho e Ademir da Guia falam da dor de deixar os gramados e das artimanhas do craque para adiar o fim da carreira;

– Bellini relata como recebeu a braçadeira de capitão em 58;

– Os craques Nilton Santos e Didi contam como driblavam o medo.

 

Ficha técnica da série “Diz aí, mestre”

Reportagem: Christian Carvalho Cruz

Edição e montagem: Camila Zarur

Edição de imagem: Paula Cardoso

Locução: Luigi Mazza

Imagens: Folhapress e Getty Images

Coordenação: José Roberto de Toledo e Vitor Hugo Brandalise

Agradecimentos: VideoFilmes, Museu do Futebol e Museu da Pelada

Leia também

Últimas Mais Lidas

Dor e Glória – lembranças luminosas de Almodóvar

Inteligência e sensibilidade marcam filme que traduz vulnerabilidade física do diretor e de Banderas

Na era da Lava Jato, Supremo nunca afastou juiz

Tribunal recebeu 190 pedidos de suspeição de magistrados desde 2014 e rejeitou todos

Um general da ativa no centro da articulação política

Novo ministro terá de deixar Alto Comando do Exército; divergências no uso da verba de comunicação e atritos com ala olavista, inclusive Carlos Bolsonaro, explicam demissão de Santos Cruz

RBG – Ruth Bader Ginsburg, a juíza da Suprema Corte que faz diferença

Mesmo aquém de seu personagem, documentário é chance de conhecer mulher singular

Moro contra a parede

Para especialistas, conversas entre ex-juiz e Dallagnol indicam parcialidade e, no limite, podem levar Supremo a anular julgamento de Lula

Alertas mais precisos contra o desmatamento

Nova plataforma gratuita de monitoramento flagrou, em seis meses de testes, quase 900 quilômetros quadrados desmatados

Foro de Teresina #54: O trânsito de Bolsonaro, o bate-cabeça da oposição e o elogio da agressão

Podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Mais textos
1

Excelentíssima Fux

Como a filha do ministro do STF se tornou desembargadora no Rio

2

A redenção dos cinco

Um filme sobre os rapazes presos por um estupro que não cometeram

3

Um general da ativa no centro da articulação política

Novo ministro terá de deixar Alto Comando do Exército; divergências no uso da verba de comunicação e atritos com ala olavista, inclusive Carlos Bolsonaro, explicam demissão de Santos Cruz

4
5

Moro contra a parede

Para especialistas, conversas entre ex-juiz e Dallagnol indicam parcialidade e, no limite, podem levar Supremo a anular julgamento de Lula

7

Procura-se um presidente

Dependência virtual e extremismo de Bolsonaro precipitam corrida política no campo da direita

9

Na era da Lava Jato, Supremo nunca afastou juiz

Tribunal recebeu 190 pedidos de suspeição de magistrados desde 2014 e rejeitou todos

10

Bolso esvazia bolsonarismo

Estagnação da economia é a maior razão de arrependimento de quem votou em Bolsonaro mas acha o governo ruim ou péssimo